Irã libera navio de bandeira britânica que havia capturado há dois meses

Premiê britânico acusou país de estar por trás de ataques à Arábia Saudita, algo que o Irã nega

Teerã, Londres e Genebra | AFP e Reuters

O governo do Irã anunciou nesta segunda-feira (23) a liberação do petroleiro sueco de bandeira britânica Stena Imperio, retido desde julho no estreito de Hormuz. 

"O processo legal terminou, e as condições para liberar o petroleiro foram cumpridas. O petroleiro está livre para partir", afirmou Ali Rabiei, porta-voz do governo iraniano.

Patrulha marítima do Irã no porto de Bandar Abbas, em imagem de arquivo
Patrulha marítima do Irã no porto de Bandar Abbas, em imagem de arquivo - Atta Kenare - 2.jul.12/AFP

O navio pertence a uma empresa sueca, mas tem bandeira britânica. Ele havia sido interceptado pelo Irã em 19 de julho, no estreito de Hormuz, e levado ao porto iraniano de Bandar Abbas. 

De acordo com a Guarda Revolucionária do Irã, a embarcação não respeitou o código marítimo internacional e bateu em um pesqueiro. 

A retenção do navio aconteceu 15 dias depois do petroleiro iraniano Grace 1 passar pela mesma situação em Gibraltar, interceptado pelas autoridades do Reino Unido.

Gibraltar ordenou a detenção do navio por suspeita de que o petroleiro transportava combustível para a Síria, o que violaria as sanções europeias contra o Irã.

Em 18 de agosto, as autoridades britânicas autorizaram a partida do Grace 1, apesar dos pedidos dos Estados Unidos por uma prorrogação da detenção.

As autoridades iranianas negaram que a captura do Stena Impero tenha sido uma represália pelo que aconteceu com o Grace 1.

O Oriente Médio vive um período de tensão, depois que os EUA se retiraram em 2018 do tratado nuclear com o Irã e retomaram as sanções econômicas contra o país.

Nos últimos meses, houve uma série de ataques a navios e a instalações de petróleo na região.

O último deles foi um bombardeio em refinarias sauditas, em 14 de setembro, que comprometeu seriamente a produção de petróleo da Arábia Saudita.

O ataque foi reivindicado pelos houthis, que lutam no Iêmen contra o governo apoiado por uma coalizão liderada pela Arábia Saudita. O grupo rebelde é aliado do Irã. 

Apesar da reivindicação, os EUA dizem que o real autor dos ataques foi o Irã, que nega a acusação.

O premiê britânico, Boris Johnson, também acusou o Irã de estar por trás dos ataques. "Posso dizer que o Reino Unido atribui ao Irã, com um nível muito elevado de probabilidade, os ataques contra a Aramco [estatal saudita de petróleo]", afirmou, a bordo do avião que o transportava para Nova York, onde participará da Assembleia Geral da ONU.

"A dificuldade é saber como organizar uma resposta internacional", disse Boris. 

"Vamos trabalhar com nossos amigos americanos e nossos amigos europeus para construir uma resposta que tente reduzir as tensões na região do Golfo", completou.

O Irã, por meio de Abbas Mousavi, porta-voz da chancelaria iraniana, respondeu.

"O governo da Inglaterra, em vez de realizar esforços infrutíferos contra a República Islâmica do Irã, deveria realizar ações para parar de vender armas mortíferas para a Arábia Saudita, que é o pedido de muitas pessoas no mundo, e libertar a eles mesmos da acusação de cometer crimes de guerra contra o povo do Iêmen", disse.

HISTÓRICO DE ATAQUES NO ORIENTE MÉDIO

12.mai
Emirados Árabes Unidos afirmam que quatro navios foram atacados nas proximidades de Fujairah (um dos sete emirados que formam o país)

13.mai
Arábia Saudita afirma que teve dois navios sabotados no Golfo Pérsico

13.jun
Dois petroleiros, um norueguês e outro japonês, são atingidos por explosões no Golfo de Omã; EUA afirmam que minas marítimas foram usadas, divulgam suposto vídeo do ataque e responsabilizam o Irã, que nega

14.jun
Presidente da companhia dona do navio japonês contraria os EUA e afirma que embarcação foi atingida por objetos voadores

Grupo rebelde houthi, que é apoiado pelo Irã, realiza uma série de ataques com drones a aeroporto de Abha, na Arábia Saudita (reino é aliado dos Estados Unidos)

20.jun
Irã derruba drone americano que estaria violando seu espaço aéreo às margens do golfo de Omã

23.jun
Trump desiste de ação militar contra o Irã na última hora; EUA realizam ataque ciberataque que desabilitou sistemas no lançamentos de mísseis e foguetes

4.jul
A pedido dos EUA, britânicos apreendem petroleiro iraniano no estreito de Gibraltar; navio estaria violando as sanções da ONU

11.jul 
Reino Unido afirma que Irã tentou bloquear petroleiro britânico no estreito de Hormuz, mas que sua Marinha interveio e a passagem foi liberada

18.jul 
Irã afirma que apreendeu no estreito de Hormuz, no domingo (14), o petroleiro Stena Imperio, com 12 tripulantes a bordo; navio estaria contrabandeando combustível para o Golfo

18.jul
Trump afirma que EUA derrubaram drone iraniano no estreito de Hormuz por voar perto demais de uma embarcação americana

19.jul 
Britânicos condenam apreensão de dois petroleiros pelo Irã, um de bandeira britânica e outro de bandeira liberiana, mas operado por empresas do Reino Unido; Teerã afirma que apenas o navio britânico foi apreendido

4.ago
Irã anuncia ter capturado um navio iraquiano, que acusa de contrabando de petróleo

14.set
Ataque com drones atinge refinarias de petróleo na Arábia Saudita

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.