Descrição de chapéu Venezuela

Promotoria venezuelana abre investigação contra Guaidó por 'traição à pátria'

Opositor teria planos de abrir mão de região petrolífera disputada com Guiana

Caracas | AFP

A Promotoria venezuelana anunciou nesta sexta (6) uma nova investigação criminal contra o líder opositor Juan Guaidó.

Ele foi indiciado por "traição à pátria" por supostamente ter planos de renunciar ao território de Esequibo, uma área rica em recursos naturais disputada com a Guiana desde o século 19.

Segundo o procurador-geral Tarek Saab, responsável pela acusação, a investigação foi aberta a pedido do ditador Nicolás Maduro.

O líder opositor, Juan Guaidó em uma sessão da Assembleia Nacional, em Caracas
O líder opositor, Juan Guaidó em uma sessão da Assembleia Nacional, em Caracas - Manaure Quintero/Reuters

Na quinta (5), Maduro afirmou que Guaidó estaria negociando para entregar Esequibo "em troca de apoio político a seu fantasmagórico e pretenso governo farsante".

A região de 160 mil km², na fronteira dos dois países, tem jazidas de petróleo descobertas em 2015 pela refinaria Exxon Mobil —a partir daquele ano, a disputa entre as nações vizinhas pelo território se acentuou. 

Esequibo ocupa cerca de 60% do território da Guiana.

Segundo a acusação, Guaidó abriria mão do território em troca de apoio do Reino Unido. A Guiana é uma ex-colônia britânica.

A acusação é baseada em um áudio no qual uma pessoa identificada pelo chavismo como uma autoridade do governo americano com dupla nacionalidade —venezuelana-americana— pede a um "assessor externo" de Guaidó que mude a posição da Venezuela e entregue Esequibo a empresas transnacionais.

A Promotoria mantém vários casos contra o opositor, chefe do Parlamento reconhecido como governante interino por mais de 50 países e que disputa o poder contra Maduro desde janeiro.

A Assembleia Constituinte, aliada a Maduro, retirou a imunidade parlamentar de Guaidó em abril e autorizou processos contra ele por estar supostamente "usurpando" as funções de Maduro.

O líder opositor conta com forte apoio dos EUA, que, no passado, já ameaçou endurecer sanções contra o regime caso ele seja preso. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.