Turista é processado na Áustria após escrever que hotel exibia fotos de nazistas

Ordem judicial determinou que comentários, feitos em sites de avaliação na internet, fossem excluídos

Viena ( Áustria) e São Paulo | AFP

Um turista alemão está sendo processado por um hotel austríaco após ter escrito em sites de avaliação que o local exibia "foto do avô nazista pendurada na entrada".

O adorno, segundo o turista, trazia os retratos de dois soldados com uniformes da Wehrmacht, as forças armadas do Terceiro Reich, os quais ostentavam símbolos do regime como a águia e a suástica. 

Sob o pseudônimo de Fritz Ullmann, Mengele (2º da esq. p/ a dir.) trabalhou numa plantação de batatas no sul da Alemanha antes de fugir para a Argentina
Solados do Terceiro Reich; segundo homem da esquerda para a direita é o médico nazista Josef Mengele - Museu Memorial do Holocausto dos EUA

"Isso nos fez pensar no que os proprietários do hotel estão tentando nos dizer com esta imagem. Este incidente fala muito sobre o estado atual das coisas nesta região da Áustria", dizia o comentário.

O hotel, localizado na região do Tirol —oeste do país—, nega que as fotografias façam apologia ao ditador nazista Adolf Hitler (1889-1945), mas confirma tratar-se de familiares que serviram na Segunda Guerra Mundial.

Num primeiro momento, a hospedagem alegou, em sua defesa, que esses são os únicos registros que possuem dos parentes "alistados à força" e "mortos" durante o conflito. 

"A frase enviada sob um pseudônimo dava a impressão, a milhares de pessoas, que meu cliente simpatiza com o nacional-socialismo", disse Stefan Kofler, advogado do hotel. 

"[O comentário] é totalmente impreciso, não tem fundamento e causa danos a sua reputação."

No dia 23 de julho, uma decisão do tribunal austríaco de Innsbruck forçou o cliente a remover os comentários "difamatórios" dos sites de avaliação Booking.com e Tripadvisor.

Segundo o jornal The Guardian, o Booking.com, com sede na Holanda, excluiu a postagem, mas o TripAdvisor, com sede nos EUA, recusou-se a atender a solicitação.

O turista recorreu da decisão, mas apagou o comentário após supostamente ter sido assediado por um familiar do proprietário, via telefone. 

Um segundo processo foi aberto por ele na Alemanha para investigar as acusações de assédio.

A previsão é que um novo julgamento sobre o caso aconteça até o final do ano.

De acordo com o Guardian, a família decidiu remover os retratos do estabelecimento. Isso porque o turista conseguiu pesquisar a identidade dos homens retratados no Arquivo Nacional da Alemanha e provar que eles se filiaram voluntariamente ao Partido Nazista nos anos de 1941 e 1943, respectivamente.

Os proprietários do hotel disseram que não tinham essa informação.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.