Apoiar Lula Livre é afronta à democracia brasileira, diz Bolsonaro sobre Fernández

Eleito no domingo, novo presidente argentino defende libertação do ex-líder brasileiro

Natasha Bin
Doha

Em visita oficial ao Qatar nesta segunda (28), o presidente Jair Bolsonaro comentou as manifestações de Alberto Fernandéz, recém-eleito presidente da Argentina.

“É um afronto [sic] à democracia brasileira e ao sistema judiciário brasileiro. Ele está afrontando o Brasil de graça”, afirmou Bolsonaro sobre o gesto de Fernandéz em apoio ao movimento Lula Livre.

Pessoas fazem L com os dedos
Candidato à presidência da Argentina, Alberto Fernandez faz gesto de Lula Livre com correligionários - Reprodução/Twitter

O líder brasileiro, que não quis enviar cumprimentos a Fernandéz, diz que aguardará os próximos passos do novo governo argentino para então, se necessário, “tomar alguma decisão em defesa do Brasil”.

O gesto de apoio do kirchnerista ao movimento Lula Livre desagradou Bolsonaro, que afirmou ter sido informado que “muita gente do PT estaria lá na Argentina para comemorar a vitória dele [Fernandéz]”.

Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016), ambos do PT, governaram o Brasil no mesmo período em que Néstor Kirchner (2003-2007) e Cristina Kirchner (2007-2015) presidiram a Argentina.

Todos de esquerda, eles tiveram uma relação próxima durante seus mandatos. Cristina foi eleita vice-presidente neste domingo (28).

Mais cedo, Bolsonaro havia descartado a possibilidade de o Brasil deixar o Mercosul, como havia cogitado anteriormente. Em vez disso, falou em "afastar a Argentina" se a eleição do peronista tiver impacto sobre o acordo entre o bloco sul-americano e a União Europeia.

Em julho, Fernández havia dito que reveria o acordo caso o pacto gerasse desindustrialização para o país.

Sobre a situação do Mercosul, Bolsonaro se diz preocupado e receoso. “A Argentina, em grande parte, faz comércio graças ao Brasil. Nós não queremos romper nada.”

A estratégia será antecipar-se aos possíveis problemas e manter o diálogo. “Se houver algo contundente, nós buscaremos conversar com a Argentina para de fato saber qual é a posição deles. Não vamos fechar as portas”, afirmou. 

Segundo Bolsonaro, a vitória do opositor se deve ao fato de que reformas feitas por Macri não tiveram os resultados esperados. "Agora, a Argentina colocou no poder quem colocou a Argentina no buraco lá atrás", disse.

A Argentina vive uma crise econômica, com inflação e dólar altos, aumento do desemprego e da pobreza. Após a eleição, o Banco Central anunciou um limite para a compra de dólares, de US$ 200 por mês, como forma de tentar segurar a cotação da moeda.

Leia mais:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.