Bolívia solicita à OEA auditoria da votação que deu vitória a Evo

Chanceler disse que presidente aceitará o resultado das urnas, independentemente de qual seja

São Paulo e La Paz | AFP e Reuters

A apuração dos resultados na eleição da Bolívia, que apontou vitória do atual presidente Evo Morales, gerou protestos pelo país e levou o próprio governo a pedir uma auditoria externa da votação nesta terça-feira (22).

A missão de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) foi convocada a auditar os resultados após manifestar "preocupação e surpresa" com a mudança na contagem dos votos. O Conselho Permanente da entidade vai se reunir nesta quarta (23), em Washington, para debater a situação.

Protestos estouram em La Paz, na Bolívia, quando os votos das eleições de domingo estavam 95% apurados - Ueslei Marcelino/Reuters

O chanceler boliviano, Diego Pary, solicitou à OEA que envie o mais brevemente possível uma missão técnica a La Paz para revisar uma a uma as atas das eleições de domingo.

"Nos interessa como governo que todo o processo tenha a transparência necessária", disse Pery. Ele também afirmou que a administração de Evo aceitará o resultado das urnas, independentemente de qual seja. 

Diversos países, incluindo Estados Unidos, Argentina, Brasil e Colômbia, assim como a União Europeia, também manifestaram preocupação com a situação.

Depois de uma segunda-feira de protestos violentos, a terça-feira registrou atos menos intensos durante o dia. Mas à noite, com 95,09% dos votos apurados, centenas de opositores de Evo entraram em violento confronto com a polícia em uma praça no centro de La Paz, próximo à sede do Tribunal Eleitoral do país. 

A oposição, sindicatos, organizações empresariais e cívicas anunciaram manifestações para a quarta-feira.

Na terça, uma multidão já havia incendiado a fachada da sede do Tribunal Eleitoral de Sucre, a capital administrativa boliviana, aos gritos de "fraude". Um protesto similar foi registrado na sede eleitoral de Potosí.

A oposição também entrou em conflito com a polícia em Oruro (sul), Cochabamba (centro) e La Paz. Por outro lado, houve atos de simpatizantes do governo, que reivindicavam a reeleição do presidente Evo Morales no primeiro turno. 

Waldo Albarracín, reitor da UMSA (Universidade Mayor de San Andrés) e membro da oposição boliviana, foi atingido na testa durante uma manifestação na capital. Imagens divulgadas em redes sociais o mostram com o rosto coberto de sangue. 

A confusão em torno da apuração eleitoral ocorreu porque, após o fechamento das urnas, o Tribunal Supremo Eleitoral começou a contagem usando dois métodos: somando os votos registrados em atas, que traziam os totais de cada mesa, e contando os votos um a um. Apenas os resultados do primeiro foram divulgados num primeiro momento.

Às 22h40 de domingo (20), com 89% das urnas apuradas por meio da contabilidade de atas, Evo tinha 45,7% contra 37,8% de Mesa —o resultado levaria a um segundo turno, cenário previsto por pesquisas de intenção de votos.

Durante a noite, no entanto, a apuração foi suspensa e nenhum voto foi computado. Na segunda-feira pela manhã, o tribunal afirmou que a apuração um a um mostrava resultados diferentes. Diante das divergências, a apuração feita pelo método voto por voto passou a ser considerada a que traria o resultado oficial. 

Na noite da segunda, porém, a apuração via atas foi retomada e, com 95,22% das urnas apuradas, Evo foi anunciado vencedor no 1º turno com 46,86% dos votos, contra 36,73% de Mesa. 

O imbróglio levou Antonio Costa, vice-presidente do comitê eleitoral boliviano, a renunciar nesta terça. Em uma carta, ele explicou que não participou da decisão do TSE de suspender a divulgação dos números parciais da apuração.

Foi uma decisão "precipitada não publicar [os dados e suspendê-los em 84%] e fazê-lo um dia depois, provocando uma situação tão complexa como irracional", completou.

O ministro das Comunicações, Manuel Canelas, disse na noite de segunda à Folha que, mesmo com uma chance matemática mínima de haver um segundo turno, “pode-se afirmar que ganhamos, porque já estamos com 95% apurados e o que falta, pela nossa contagem, são departamentos muito pró-Evo”.

A oposição reagiu: "Não vamos reconhecer estes resultados, que são parte de uma fraude consumada de maneira vergonhosa e que está colocando a sociedade boliviana em uma situação de tensão desnecessária", declarou Mesa a meios de comunicação de Santa Cruz, no leste do país.

Canelas respondeu, dizendo que “uma fraude tem de ser provada”. “Foram cometidos erros de comunicação por parte do órgão eleitoral. Mas isso não é fraude, para denunciar uma fraude é preciso mostrar evidências.” 

Evo obteve a permissão para concorrer às eleições deste ano apesar de isso violar a Constituição boliviana, que estabelece que só é possível uma reeleição. Evo já havia recorrido em 2014, quando concorreu ao terceiro mandato, alegando que sua primeira eleição não valia, afinal tinha ocorrido antes da nova Constituição, que foi promulgada em 2009. 

Já para a atual, Evo havia convocado um referendo, em 2016, para tentar mudar a Carta. Acabou ganhando o “não”, e ele passou a buscar novos recursos para burlar o artigo da Constituição.

Acabou apelando para a Declaração Universal de Direitos Humanos, que afirma que todo cidadão deve ter o direito de concorrer a cargos públicos. Desta forma, alegou que, se não pudesse concorrer ao quarto mandato, estaria tendo seu direito humano violado. O tribunal constitucional boliviano acatou.

Ainda assim, criou-se a polêmica, a oposição foi contra, e desde então há protestos de rua frequentes contra sua candidatura. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.