Descrição de chapéu Governo Trump

Dois homens ligados a advogado de Trump são presos por violar financiamento eleitoral

Executivos tinham passagem só de ida a Viena e vão depor em inquérito de impeachment

Washington | Reuters
Dois empresários estrangeiros que ajudaram o advogado pessoal do presidente Donald Trump, Rudy Giuliani, a investigar o democrata Joe Biden foram presos em um esquema de direcionamento ilegal de dinheiro para um comitê eleitoral pró-Trump, disseram promotores nesta quinta (10).

A prisão do ucraniano Lev Parnas e de Igor Fruman, nascido no Belarus, é o mais recente desdobramento do caso que ameaça a Presidência de Trump. Eles foram detidos na noite de quarta-feira (10) em um aeroporto nos arredores de Washington com passagens só de ida para Viena.

Rudolph Giuliani (à esq.) e Lev Parnas, em café no Trump Hotel, em Washington
Rudolph Giuliani (à esq.) e Lev Parnas, em café no Trump Hotel, em Washington - Aram Roston - 20.set.19/Reuters

Promotores afirmam que os executivos utilizaram dinheiro estrangeiro, incluindo ao menos US$ 1 milhão (R$ 4,11 milhões) de um empresário russo não identificado, para abastecer campanhas a cargos federais e estaduais. 

Ainda de acordo com os promotores, Parnas e Fruman doaram em maio de 2018 US$ 325 mil para um comitê pró-Trump chamado America First Action. A origem desse valor teria sido falsamente atribuída a uma empresa de gás natural criada para ocultar sua verdadeira fonte.

A lei dos Estados Unidos proíbe doações estrangeiras nas eleições americanas.

Além de tentar comprar influência política, os promotores afirmam que Parnas desempenhou papel bem-sucedido para que Trump tirasse a embaixadora americana Marie Yovanovitch do posto na Ucrânia. 

O movimento seria parte dos esforços do presidente e de Giuliani para reabrir uma investigação no país sobre a atuação de Joe Biden, possível rival democrata nas eleições de 2020, e de seu filho Hunter, ex-membro do conselho de administração da empresa de gás ucraniana Burisma.

As pressões de Trump para que o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, apure ações do adversário político é o centro do inquérito de impeachment contra o republicano.

Parnas deve depor a parlamentares na Câmara na quinta (17), enquanto Fruman deve testemunhar no dia seguinte.

Em paralelo, os democratas intimaram o secretário de Energia dos EUA, Rick Perry, a entregar documentos sobre qualquer papel que ele possa ter desempenhado no esforço de Trump para levar a Ucrânia a investigar Biden.

Em entrevista à Reuters no mês passado, Parnas disse que quaisquer violações das regras da Comissão Federal Eleitoral dos EUA eram involuntárias e uma “coisa burocrática”, porque ele não era um doador político experiente. 

Também negou que estivesse tentando esconder a fonte da doação de US$ 325 mil.

John Dowd, advogado de Parnas e Fruman, recusou-se a comentar as acusações. Anteriormente, ele representou Trump na investigação do ex-procurador especial Robert Mueller, que detalhou a interferência russa na campanha presidencial dos EUA em 2016.

O juiz federal Michael Nachmanoff impôs uma série de condições para que Parnas e Fruman sejam liberados. Além de monitoramento na prisão domiciliar, cada um deles tem de pagar fiança de US$ 1 milhão. 

Giuliani não retornou a pedidos de entrevista. Na semana passada, ele disse à Reuters que Parnas e Fruman o ajudaram “em certas coisas”. “Eles me ajudaram com logística. Conhecem a Ucrânia, falam russo. Me ajudaram a localizar pessoas em alguns casos.”

Jay Sekulow, advogado de Trump, disse que “nem o presidente nem a campanha estavam cientes do esquema”, referindo-se aos réus. Fotos das redes sociais de Parnas mostram o empresário em várias ocasiões ao lado de Trump.

O líder americano negou irregularidades e descreveu a investigação de impeachment como um processo partidário.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.