Descrição de chapéu The New York Times

Conforme evidências se acumulam, alguns republicanos mantêm distância de Trump

Embora não endossem explicitamente o impeachment, grupo indica abertura ao assunto

RENO (Nevada) | The New York Times

O deputado Mark Amodei não estava preparado para a reação de seus colegas republicanos quando disse que o Congresso americano precisava "acompanhar os fatos" e verificar se o presidente  Donald Trump deve ser impugnado.

Os jornais declararam que ele estava rompendo a ordem. Os eleitores conservadores o classificaram como traidor: "Eu sou Brutus, e Trump é Júlio César", disse ele.

Em pouco tempo, Amodei foi forçado a se explicar ao diretor político da campanha de Trump, aos principais republicanos da Câmara e ao chefe de gabinete interino da Casa Branca.

Todos tinham a mesma pergunta: "Que diabos você está fazendo?".

O republicano Mark Amodei, de Nevada, em seu escritório
O republicano Mark Amodei, de Nevada, em seu escritório - Jason Henry/The New York Times

Conforme aumentam as evidências de que Trump participou intensamente de uma iniciativa para pressionar o líder da Ucrânia a investigar um adversário político, Amodei é um dentre um número crescente de republicanos que, embora não endossem explicitamente o inquérito de impeachment dos democratas, pelo menos indicam uma abertura nesse sentido.

Ninguém disse que Trump deve sofrer impeachment. Mas também não o estão defendendo.

É uma abordagem politicamente delicada, mas cada vez mais comum entre congressistas independentes, como Amodei, que trabalham para equilibrar o medo de atrair a ira de Trump —e a da base do partido— com uma profunda ansiedade de que surjam mais revelações sobre o presidente, algumas delas potencialmente indefensáveis, e a consciência de que a história os responsabilizará por suas palavras e atos.

Em Michigan, o deputado Fred Upton disse a uma plateia no Clube Econômico de Detroit que, embora ele não apoie um inquérito de impeachment, "existem perguntas legítimas" sobre as interações de Trump com a Ucrânia, e que ele não via problema nos esforços dos democratas para obter mais informações.

"Precisamos saber quais são as respostas", disse ele.

No Texas, o deputado Will Hurd —que está se aposentando e, portanto, talvez se sinta liberado para falar o que pensa— pediu à Câmara que investigue as denúncias "preocupantes" contra Trump, embora tenha alertado contra uma corrida ao impeachment.

Na Pensilvânia, o deputado Brian Fitzpatrick disse que acha que a Justiça deve investigar. Em Illinois, o deputado Adam Kinzinger disse: "Quero saber o que aconteceu aqui".

E em Utah o senador Mitt Romney, que surgiu como uma voz solitária criticando as negociações de Trump com a Ucrânia, e na semana passada disse que o pedido do presidente por ajuda estrangeira para investigar os Biden é "errado e pavoroso", parece ter companhia.

Antes de a denúncia de Trump ser divulgada, um colega de Utah, o deputado John Curtis, apresentou uma resolução pedindo que a Casa Branca a divulgasse, e disse que está "monitorando de perto a investigação formal".

À medida que se distanciam de Trump, esses republicanos —alguns em distritos indecisos em disputas apertadas pela reeleição— também estão tomando o cuidado de se afastar da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, que segundo eles se apressou a pedir o inquérito de impeachment.

O caminhão do congressista republicano Mark Amodei, estacionado no Reno
O caminhão do congressista republicano Mark Amodei, estacionado no Reno - Jason Henry/The New York Times

Na maioria das vezes, eles se abstêm de criticar diretamente o presidente, que classificou a investigação como "caça às bruxas" e "fraude".

Mas eles também não estão adotando a linguagem de seus líderes, cuja estratégia se concentra em atacar Pelosi, rotulando o inquérito como politicamente motivado e mudando o assunto para Biden e seu filho Hunter, cujo trabalho para uma empresa de energia ucraniana alimentou as acusações de Trump sobre uma nefasta rede de corrupção envolvendo um de seus principais inimigos políticos.

Mais de uma dúzia de deputados republicanos permaneceram em silêncio.

"É uma questão de seguir sua consciência e dizer o que gostarão de explicar a seus filhos nos próximos anos", disse o estrategista republicano Whit Ayres, acrescentando: "Alguns deles estão seguindo a regra de que, se você não puder dizer nada bom sobre seu presidente, não deve dizer nada".

Esses republicanos ainda representam uma pequena minoria dos 197 na Câmara.

Mas seus comentários, num momento em que as pesquisas mostram que o apoio público à investigação de impeachment está crescendo, são o primeiro sinal de rachaduras na unidade partidária.

Eles também oferecem ecos do caminho que o partido seguiu durante o processo de impeachment contra Richard Nixon, quando até os mais fortes defensores do presidente o abandonaram.

Em Nevada, Amodei, 61, um ex-promotor público prolixo que liderou a campanha de Trump em 2016 em Nevada, está escolhendo suas palavras com cuidado.

Durante uma conversa franca de uma hora que incluiu um passeio em sua caminhonete Chevy Silverado vermelha e branca restaurada com amor (modelo 1988, o mesmo ano em que ele trocou seu registro partidário de democrata para republicano), ele ficou confuso com o tumulto que criou.

Ele vota com Trump quase 99% das vezes, mas se descreve como um "homem de processos", que acredita na supervisão do Congresso.

"Eu apenas acho que você tem de respeitar o processo", disse. "Acho que você precisa ser transparente e dizer a verdade."

Ele disse que não é fã do processo de Pelosi e que ela deveria ter submetido o inquérito à votação da Câmara.

E lamentou que a palavra "inquérito" tenha se tornado politicamente tóxica para os republicanos —lição que aprendeu depois de compartilhar suas opiniões com os repórteres locais, um dos quais escreveu que ele apoiava o inquérito na Câmara, mas estava retendo a opinião sobre se Trump "cruzou o limite legal".

A caracterização foi precisa, disse Amodei, mas provocou um alvoroço quando os meios de comunicação (incluindo o New York Times) o chamaram de primeiro republicano que rompeu a ordem unida para apoiar a investigação de impeachment.

Ele rapidamente recalibrou com uma declaração, deixando claro que não apoia o impeachment de Trump.

"Agora eu sei que 'inquérito' é uma palavra especial no vocabulário do impeachment", disse ele ironicamente, "o qual estou procurando na Amazon, mas ainda não encontrei."

Ainda assim, as vozes anti-Trump no Partido Republicano foram encorajadas por comentários como os de Amodei.

Os Republicanos pelo Estado de Direito, a principal iniciativa do grupo conservador anti-Trump Defendendo a Democracia Juntos, estão gastando mais de US$ 1 milhão para veicular anúncios de televisão na Fox e na MSNBC, pedindo aos republicanos que "exijam os fatos" sobre Trump e a Ucrânia.

A campanha começou na semana passada com anúncios em cinco distritos —incluindo os de Amodei, Upton e Fitzpatrick— e será ampliada nesta semana para atingir 12 senadores republicanos e 15 membros da Câmara.

"Dado onde eles estiveram, que os republicanos do Congresso digam: 'Bem, precisamos ver todos os fatos' é um passo muito importante", afirmou Bill Kristol, comentarista conservador e fundador da Defendendo a Democracia Juntos.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.