Alberto Fernández vence Macri e é eleito em 1º turno na Argentina

Resultados contrariam pesquisas, que indicavam vitória avassaladora sobre Mauricio Macri

Sylvia Colombo
Buenos Aires

Quatro anos depois, o kirchnerismo está de volta ao poder na Argentina.

Em meio a uma grave crise econômica que afeta a população e atingiu em cheio o atual líder do país, Mauricio Macri, a eleição deste domingo (27) coroou a estratégia da ex-presidente Cristina Kirchner, que surpreendeu ao decidir se candidatar a vice numa chapa liderada por Alberto Fernández. 

Com 96,22% das urnas apuradas por meio do sistema rápido de contagem, o opositor havia conquistado 48,03% dos votos contra 40,44% de Macri.

Na Argentina, é necessário obter índice superior a 45% para ser eleito em primeiro turno —ou votação acima de 40% desde que com uma diferença de 10 pontos percentuais para o segundo colocado. 

Ainda que não tenha sido necessária uma nova rodada, a margem entre Fernández e Macri surpreendeu, uma vez que as pesquisas chegaram a indicar 20% de distância, o que seria uma tremenda lavada.

Os kirchneristas também obtiveram outras vitórias, como a conquista do governo da Província de Buenos Aires, que sai das mãos da macrista María Eugenia Vidal —“Hoje Deus me deu um descanso para que eu recupere as minhas forças”— e foi para as do ex-ministro da Economia Axel Kicillof, com 52,18% dos votos até a publicação desta reportagem.

Em discurso conciliador na noite deste domingo, Macri reconheceu a derrota nas eleições e prometeu fazer uma transição organizada para o governo do próximo presidente.

“Convidei Alberto Fernández para tomar café da manhã na Casa Rosada [sede do governo argentino] amanhã, para começar um período de transição ordenada”, afirmou. “A única coisa que importa é o futuro dos argentinos.” Quando parabenizou o adversário, ouviu vaias dos apoiadores.

A posição do candidato derrotado destoa da última eleição, em 2015, quando Cristina sequer foi à posse ao ver o candidato que defendia ser derrotado pelo atual presidente. À época, Macri recebeu a faixa do presidente do Senado.

Com pouco mais de 40% dos votos, e mantendo a chefia de governo da cidade de Buenos Aires, o partido de Macri, o PRO, não sai completamente derrotado. Como o sistema eleitoral argentino é feito a partir de listas, a legenda deve manter uma boa presença no Congresso, além de sinalizar uma frente oposicionista forte.

Já na esquina das avenidas Corrientes e Dorrego, no bairro de Chacarita, em Buenos Aires, foi armado o local para celebrar a vitória kirchnerista.

No começo da noite, apoiadores chegavam em grupos. Um vendedor de rua vendia bandeiras com os dizeres “Macri, decime que se siente”, em alusão à música dos torcedores argentinos durante a Copa do Mundo do Brasil

No palco, após a divulgação dos resultados, Cristina, com um vestido vermelho, pediu a Fernández que “exerça com responsabilidade o cargo que recebeu” e que “alivie a situação dramática em que o povo está”. 

O público a interrompeu mais de uma vez, entoando canções kirchneristas. Pediu, ainda, que a população apoie o presidente eleito para enfrentar os projetos neoliberais. Em seguida, Fenandéz pegou o microfone e prometeu um governo “para todos os argentinos”. 

Com inflação anual de 53,5%, um acordo com o Fundo Monetário Internacional para negociar e 35,4% da população abaixo da linha de pobreza, a economia é o maior desafio do presidente eleito.

Fernández disse que irá ao café com Macri e agradeceu o gesto do atual mandatário. 

Mais cedo, o kirchnerista fez um aceno ao Brasil. Publicou uma foto em uma rede social em que faz a letra L com as mãos, símbolo do movimento Lula Livre, e parabenizou o ex-presidente brasileiro pelo aniversário de 74 anos completados neste domingo (27).

“Também hoje faz aniversário meu amigo Lula, um homem extraordinário que está injustamente preso faz um ano e meio”, escreveu Fernández.
 

O domingo foi de sol e movimento tranquilo em Buenos Aires. Apesar das filas nos centros de votação, não houve agitação ao menos até as 17h, quando alguns carros passaram a tocar buzinas e acenar com bandeiras da Argentina nas avenidas. Era comum ouvir o canto de “vamos voltar” dos peronistas.

Em um centro de votação no bairro de Colegiales, um senhor de 84 anos era amparado pelo filho para votar. "Eu sei que não preciso votar [na Argentina, a partir dos 70 é facultativo], mas se é para tirar Macri, achei que valeria a pena vir, pedi para me trazerem."

Em outro colégio, no bairro da Recoleta, havia um grupo de mulheres esperando que outra amiga fosse votar. “Estamos votando juntas e torcendo por uma vitória do presidente. Daqui vamos almoçar e mais tarde iremos para o comitê, temos certeza de que houve fraude nas primárias e de que hoje iremos celebrar.”

Alguns ciclistas andavam pelas ciclovias com cartazes feitos à mão e colados no banco com pequenas mensagens. "Tchau Macri" foi a mais vista, mas também havia "Cristina, não volte mais" e "Cristina e Alberto são iguais".

Nas redes sociais e na imprensa local, ficou famoso o cidadão que, vestido como o personagem Coringa (“Guasón”, em espanhol) foi votar dando gargalhadas na cidade de Lanús.

Durante o dia, o governo fez uma série de denúncias de irregularidades à autoridade eleitoral.

“Vemos que nem sempre os presidentes das mesas são neutros e isso se compensa tendo um fiscal”, disse o ministro de Transporte, Guillermo Dietrich, que espalhou fiscais da aliança governista Juntos por el Cambio. “Nosso sistema eleitoral é obsoleto e requer um exército de gente.”

Nas redes sociais, publicou: “Estão chegando dezenas de denúncias de nossos fiscais na Província de Buenos Aires, de Merlo, La Matanza, Pilar e Almirante Brown, de eleitores que aparecem com cédulas de identidade anteriores ou diferentes ao que está no padrão".

Os principais candidatos votaram pela manhã. Assim como nas eleições primárias, Alberto Fernández saiu para passear com seu cachorro, Dylan, e só depois se dirigiu ao centro de votação perto de sua casa, em Puerto Madero.

Na saída, disse que “a situação econômica era muito preocupante e todos devemos nos preocupar”. Pois, logo após o encerramento da votação, foi convocada uma reunião do Banco Central, a pedido do presidente Macri, para discutir medidas para barrar o aumento do dólar, tendência indicada na semana passada e que pode se acentuar após a vitória kirchnerista.

Quem é Alberto Fernández

Ao final de suas declarações,  Fernández disse que se lembra de Néstor Kirchner todos os dias e que gostaria de ter falado com ele neste dia, afirmando que ajudaria a Argentina a se levantar novamente.

Sempre que pode, Fernández reforça o vínculo que teve com Néstor, pois fez parte da equipe que assumiu a Presidência após a hecatombe política e econômica de 2001 e ajudou a reconstruir o país a partir das cinzas.

Mas a biografia do novo presidente começou antes e tem elementos para agradar ou desagradar distintos campos ideológicos. Seu início na política, quando ainda era estudante de direito, deu-se por meio de uma pequena agrupação nacionalista de direita, na qual se destacou como bom orador.

Depois, integrou o governo de Raúl Alfonsín (1983-1989), no qual ocupou o cargo de subdiretor geral de assuntos jurídicos do ministério da Economia.

Durante o governo de Carlos Menem, Fernández foi superintendente de seguros da nação argentina. Nesta época, começou a se relacionar com muita habilidade com os grandes meios de comunicação do país, como o Clarín e o La Nación.

Do menemismo, saltou para o kirchnerismo. Primeiro, foi chefe da campanha de Néstor. Depois, passou a comandar seu gabinete. Permaneceu no posto durante toda a gestão e no primeiro ano do governo de sua sucessora, Cristina.

Depois disso, curiosamente, foi se afastando do kirchnerismo e passou a criticar com intensidade o governo daquela que agora é sua vice-presidente. Neste domingo, o camaleão ideológico se tornou o próximo presidente da Argentina.


Trajetória do peronismo

Surgimento O Dia da Lealdade (17 de outubro de 1945) é considerado seu marco inicial. Milhares vão à praça de Maio, em Buenos Aires, pedir a libertação do então coronel Juan Domingo Perón. Com 50 anos à época, ele havia sido destituído dos cargos de vice-presidente e de ministro da Guerra e preso pelos militares

Na presidência Perón assume, em 4 de junho de 1946, o cargo pela primeira vez, após vencer a eleição com 52% dos votos. Ele seria eleito novamente em 1951 e em 1973, mas não termina nenhum dos mandatos. Morre em 1º de julho de 1974

Volta do peronismo A corrente retorna ao poder, no período democrático, com a vitória de Carlos Menem, em 1989

Ascensão do kirchnerismo Néstor (1950-2010) vence a eleição presidencial de 2003 e é sucedido por sua mulher, Cristina, em 2007

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.