Macri reconhece derrota na Argentina e promete transição organizada

Atual mandatário perdeu disputa presidencial para Alberto Fernández

São Paulo

Em discurso conciliador na noite deste domingo (27), o presidente da Argentina, Mauricio Macri, reconheceu a derrota nas eleições presidenciais e prometeu fazer uma transição organizada para o governo do próximo presidente, Alberto Fernández.

Sob vaias de apoiadores, o atual mandatário parabenizou o adversário.

"Quero parabenizar o presidente eleito, Alberto Fernández, acabo de falar com ele, pela grande eleição. O convidei para tomar café da manhã na Casa Rosada [palácio do governo argentino] amanhã, para começar um período de transição ordenada", afirmou.

"A única coisa que importa é o futuro dos argentinos."

A posição do candidato derrotado destoa da última eleição. Cristina Kirchner (eleita neste domingo vice-presidente) sequer foi à posse quando foi derrotada por Macri, no último pleito, em 2015.

À época, ele recebeu a faixa presidencial do presidente do Senado.

Em seu discurso, Macri afirmou que está "comprometido a cuidar da democracia e da República". "Estamos mais juntos do que nunca por essa Argentina que todos sonhamos."

Com 93,06% das urnas apuradas no sistema de contagem rápida, Alberto Fernández tinha 47,89% dos votos. Na Argentina, é preciso ter mais que 45% para se eleger em primeiro turno. Macri, por sua vez, tinha 40,59% dos votos.

A única vitória macrista até agora é a do atual chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Horacio Larreta. 

A atual governadora da Província de Buenos Aires, María Eugenia Vidal, do partido de Macri, reconheceu sua derrota para o kirchnerista Axel Kicillof, ex-ministro da Economia de Cristina Kirchner. 

O partido de Macri, porém, emplacou muitos deputados e deve continuar sendo a principal força opositora.

Na esquina das avenidas Corrientes e Dorrego, no bairro de Chacarita, em Buenos Aires, foi armado o local para celebrar a vitória kirchnerista. Nas bandeiras argentinas carregadas por apoiadores, os rostos de Cristina e de Alberto. 

No palco, Cristina pediu a Fernández que “exerça com responsabilidade o cargo que recebeu” e que “alivie a situação dramática em que o povo está”. 

O público a interrompeu mais de uma vez, entoando canções kirchneristas. Pediu, ainda, que a população apoie o presidente eleito para enfrentar os projetos neoliberais. Em seguida, Fenandéz pegou o microfone e prometeu um governo “para todos os argentinos”. 

Disse que irá ao café da manhã com Macri e agradeceu o gesto do atual presidente. 

Mais cedo, o Fernández publicou uma foto em seu Twitter em que faz a letra "L" com as mãos, símbolo do movimento Lula Livre, e parabenizou o ex-presidente brasileiro pelo aniversário de 74 anos completados neste domingo (27).

“Também hoje faz aniversário meu amigo Lula, um homem extraordinário que está injustamente preso faz um ano e meio”, escreveu Fernández.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.