Onda de protestos no Iraque deixa ao menos 67 mortos em dois dias

Manifestantes pedem fim da corrupção no país e mais empregos

Bagdá | Reuters e AFP

Confrontos entre manifestantes contra o governo, forças de segurança e milícias deixaram ao menos 67 mortos e centenas de feridos em dois dias de protestos no Iraque.

Centenas de iraquianos tomaram a capital, Bagdá, neste sábado (26), desafiando novamente as forças policiais. Mais 15 mortes foram registradas hoje, depois de 52 vítimas na sexta (25).  

Com o intuito de conter a violência, o premiê, Adel Abdul-Mahdi, ordenou que membros do Serviço de Contra-Terrorismo (CTS, na sigla em inglês) ocupassem as ruas da capital e da cidade de Nasiriya, no sul do país. 

Segundo fontes ouvidas pela Reuters, eles receberam autorização para usar quaisquer medidas necessárias para acabar com as manifestações.

Manifestantes no topo de prédio na praça Tahrir, em Bagdá, capital do Iraque, neste sábado (26)
Manifestantes no topo de prédio na praça Tahrir, em Bagdá, capital do Iraque, neste sábado (26) - Khalil Dawood/Xinhua

Nas últimas horas, a mobilização se voltou contra dezenas de sedes de partidos, escritórios de deputados e, especialmente, os locais de encontro do grupo armado Hachd al-Shaabi, uma coalizão de paramilitares dominada por milícias xiitas pró-iranianas e aliadas do governo no Iraque.

Quatro pessoas morreram em Bagdá após serem atingidas na cabeça por bombas de gás lacrimogêneo disparadas por forças de segurança. Outras quatro também morreram em Nasiriya depois que um grupo tentou invadir a casa de uma autoridade local, segundo a versão da polícia.

Os manifestantes protestam contra a corrupção e exigem empregos e serviços públicos de qualidade em um país rico em petróleo, mas no qual faltam eletricidade e água potável.

Esta é a segunda onda de protestos violentos no país este mês. Uma série de choques entre manifestantes e forças de segurança ocorrida há duas semanas deixou 157 mortos e mais de 6.000 feridos.

Os tumultos interromperam quase dois anos de relativa estabilidade no Iraque, palco da invasão americana, de uma guerra civil e de uma insurgência do Estado Islâmico entre 2003 e 2017. 

Trata-se do maior desafio de Abdul-Mahdi desde que ele assumiu o posto, há um ano. Apesar de prometer reformas e promover mudanças no seu gabinete de governo, ele ainda tem dificuldades de responder os pedidos dos manifestantes. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.