Polícia de Hong Kong prende manifestantes com máscaras em protestos

Reação veio após aplicação de lei que proíbe ativistas de cobrirem o rosto em protestos

Hong Kong | Reuters

Manifestantes em Hong Kong voltam às ruas neste domingo (6) usando máscaras, em desafio à proibição de protestar com o rosto coberto.

Eles podem enfrentar até um ano de detenção por desobedecer à lei —a polícia começou a fazer as primeiras prisões.   

Policiais retiraram as máscaras de ativistas, ataram seus pulsos e os colocaram em ônibus.

Policial detém manifestante durante protesto contra o governo na região central de Hong Kong
Policial detém manifestante durante protesto contra o governo na região central de Hong Kong - Jorge Silva/Reuters

As forças de segurança também usaram gás lacrimogêneo para dispersar a multidão, depois de confrontos entre agentes e manifestantes, que tentavam erguer barricadas. 

Os manifestantes ainda destruíram escritórios, agências de bancos chineses e estações de metrô.

Além disso, o destacamento militar chinês em Hong Kong alertou centenas de manifestantes de que eles poderiam ser presos por apontarem luzes de laser para quartéis na cidade.

Segundo a agência de notícias Reuters, é a primeira interação entre o Exército de Libertação Popular, como as Forças Armadas chinesas são chamadas, e os ativistas.

De cima de um prédio, os militares chineses seguravam um cartaz em inglês e chinês com os dizeres: “Atenção. Você está violando a lei. Você pode ser responsabilizado”. 

As tropas também usaram holofotes na direção dos manifestantes e usaram binóculos e câmeras para monitorá-los.

Esse foi o terceiro dia consecutivo de mobilização desde que a chefe-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, recorreu a uma lei de emergência para proibir os manifestantes de usarem máscaras nos protestos.

O recurso não era acionado desde 1967.

Neste domingo (6), a Justiça da ex-colônia britânica rejeitou o recurso apresentado por deputados pró-democracia de Hong Kong contra esta decisão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.