Descrição de chapéu Financial Times

Recusa da UE em prorrogar prazo do brexit pode ser chave para aprovação de pacto

Temor de saída sem acordo perturba parlamentares contrários a trato de Boris

James Blitz
Financial Times

Boris Johnson aceitou um acordo para o brexit com a União Europeia, o que provocou uma alta da libra esterlina e muita emoção em Westminster.

A questão agora é se o pacto será aprovado na votação-chave na Câmara dos Comuns no sábado (19).

O consenso neste momento é que Boris não tem o número de votos necessário. O Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês) deixou claro que não aprovará o acordo "como está".

Sem seu apoio, é difícil ver como o pacto passará pelo Parlamento.

O primeiro-ministro Boris Johnson durante entrevista coletiva em Bruxelas
O primeiro-ministro Boris Johnson durante entrevista coletiva em Bruxelas - Toby Melville/Reuters

James Forsyth, no The Spectator, fez uma boa avaliação de qual é o problema. Ele diz que Mark Spencer, o líder dos conservadores, calculou na noite de quarta (16) que, se o DUP apoiar Boris, o governo vencerá no sábado por maioria de apenas um.

Essa maioria seria composta por todos os parlamentares conservadores, 15 conservadores independentes, o DUP e mais nove trabalhistas rebeldes nos distritos eleitorais pró-saída da UE que desafiariam o líder de seu partido.

Mas, sem o DUP, Boris precisa que 19 deputados trabalhistas o apoiem —e conseguir o apoio de muitos parlamentares trabalhistas para um acordo de Boris seria realmente muito difícil.

Como a dinâmica pode mudar nas próximas 48 horas? Uma possibilidade está na declaração do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, segundo a qual, caso o acordo não seja aprovado, não será concedido ao Reino Unido a prorrogação de três meses exigida pela Lei Benn.

A fala significa que a não aprovação da votação no sábado mergulharia o Reino Unido em um brexit sem acordo em 31 de outubro.

Isso certamente mexeria com as mentes em Westminster. Poderia levar o DUP a ultrapassar limites, além de atrair mais parlamentares trabalhistas para o acordo fechado pelo primeiro-ministro.

Talvez, no entanto, Boris tenha se resignado a perder no sábado. Ele pode considerar que, nessa situação, pode entrar em uma eleição geral brandindo o acordo que assinou e dizendo que só teria retirado o Reino Unido da UE em 31 de outubro se o Parlamento tivesse permitido.

Em seguida, ele convocaria os eleitores a dar o apoio parlamentar necessário para que o pacto fosse cumprido.

A outra possibilidade, é claro, é que o DUP ceda no último minuto. No momento, é difícil ver o que pode mudar na mente do partido, já que o acordo do brexit está assinado e selado.

Mas, depois de três anos e meio, o Parlamento, a UE e grande parte do público britânico estão totalmente esgotados com o processo do brexit e querem que o Reino Unido siga em frente.

Há algo no clima político britânico que faz pensar que —de alguma forma— Boris conseguirá o que quer no sábado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.