Descrição de chapéu The New York Times

Twitter anuncia que proibirá todos os anúncios políticos

Decisão ocorre após Facebook ser criticado por permitir mensagens de campanha com conteúdo falso

San Francisco | The New York Times

Jack Dorsey, executivo-chefe do Twitter, disse na quarta-feira (30) que a rede social vai proibir anúncios políticos em sua plataforma, em claro contraste com o rival Facebook, que enfrentou problemas por adotar uma posição de não intervenção em publicidade política.

Dorsey anunciou a decisão no Twitter, afirmando acreditar que o alcance das mensagens políticas "deve ser conquistado, e não comprado".

Bandeira com logomarca do Twitter na fachada da Bolsa de Valores de Nova York
Bandeira com logomarca do Twitter na fachada da Bolsa de Valores de Nova York - Andre Burton - 7.nov.2019/Getty Images/AFP

Ele disse que os anúncios políticos online apresentam desafios ao discurso cívico, incluindo vídeos manipulados e a disseminação viral de informações enganosas, "tudo com cada vez mais velocidade e sofisticação, em escala esmagadora".

O executivo acrescentou que teme que a publicidade política na internet "tenha ramificações importantes com as quais a infraestrutura democrática de hoje talvez não esteja preparada para lidar".

O Twitter há muito tempo permite anúncios políticos, embora mais recentemente tenha começado a tomar medidas para contê-los.

Depois da eleição presidencial nos Estados Unidos em 2016, a empresa começou a exigir que os anunciantes confirmassem suas identidades e publicou um banco de dados de anúncios políticos exibidos em seu serviço.

Mais recentemente, a rede social proibiu anúncios de meios de comunicação apoiados por Estados depois de descobrir que informações enganosas sobre os protestos em Hong Kong tinham como origem canais de comunicação estatais da China.

É provável que a medida pressione o Facebook, que ultimamente tem enfrentado dificuldades por permitir que políticos publiquem declarações —inclusive falsas— em anúncios políticos na rede social. Mark Zuckerberg, executivo-chefe do Facebook, posicionou-se sobre esse tipo de publicidade nas últimas semanas, dizendo que não supervisionaria os anúncios de políticos, mesmo que incluíssem mentiras.

Ele afirmou que o motivo é que o Facebook foi fundado para dar voz às pessoas, e que a rede social defende a liberdade de expressão. Os anúncios de políticos, segundo ele, são dignos de nota e acrescentados ao discurso público.

Essa posição tem sido fortemente criticada por legisladores, candidatos à Presidência e até alguns funcionários do Facebook.

A campanha do ex-vice-presidente Joe Biden atacou recentemente a empresa por se recusar a remover um anúncio falso sobre ele que estava sendo veiculado pela campanha do presidente Donald Trump.

A senadora democrata Elizabeth Warren, de Massachusetts, que também é pré-candidata à Presidência, acusou Zuckerberg de administrar uma "máquina de desinformação com fins lucrativos".

E nas últimas duas semanas centenas de funcionários do Facebook assinaram uma carta ao empresário pedindo que ele reavaliasse a forma como a companhia trata os anúncios políticos.

Em uma referência velada a Zuckerberg, Dorsey disse que a luta contra a desinformação online é dificultada quando as empresas de tecnologia aceitam pagamento por conteúdo político enganoso.

Sem citar o executivo do Facebook, Dorsey disse que não é crível que essas companhias digam que estão trabalhando duro contra a desinformação, "maaas, se alguém nos pagar para forçar as pessoas a ver seu anúncio político... bem... elas podem dizer o que quiserem!".

Os anúncios políticos representam apenas uma pequena parte dos negócios de publicidade da empresa, disse o Twitter.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.