Descrição de chapéu The Washington Post

Comissão recusa pedido de biblioteca por assinatura do New York Times

Discussão ocorreu no mesmo dia em que Trump anunciou planos de cancelar entrega do jornal em órgãos federais

Antonia Noori Farzan
Nova York | Washington Post

Os bibliotecários do Condado de Citrus, na Flórida, tinham o que parecia um desejo modesto: uma assinatura digital do New York Times. Por cerca de US$ 2.700 por ano, eles argumentaram, poderiam oferecer a seus cerca de 70 mil frequentadores uma maneira fácil de pesquisar e acompanhar as notícias.

Quando o pedido foi apresentado à Comissão de Congressistas do Condado de Citrus no mês passado, porém, as autoridades locais literalmente deram risada. Um deles, Scott Carnahan, declarou que o jornal é fake news. “Eu concordo com Trump”, disse. “Não vou votar a favor. Não quero o New York Times neste condado.”

Em uma ação que agora está gerando intensa reação online, os cinco membros da comissão concordaram em rejeitar a solicitação da biblioteca. A discussão ocorreu em 24 de outubro, mesmo dia em que o governo Trump anunciou planos de cancelar as assinaturas do Times e do Washington Post para órgãos federais. 

A entrada da redação do jornal The New York Times, em Nova York
A entrada da redação do jornal The New York Times, em Nova York - Angela Weiss - 21.out.19/AFP

Apesar de não haver conexão aparente —a reunião em Citrus começou várias horas antes de o Wall Street Journal divulgar a notícia do novo decreto—, a controvérsia que se desenrola na região central da Flórida destaca como os políticos de todo o país estão imitando o discurso depreciativo do presidente sobre a mídia.

Embora a Comissão do condado de Citrus seja tecnicamente apartidária, a área, localizada em meio aos pântanos e nascentes ao norte de Tampa, é profundamente conservadora.

Na reunião de 24 de outubro, a proposta de destinar milhares de dólares a uma assinatura do Times foi recebida com reprovação. “Nós realmente precisamos assinar o Times?”, perguntou o congressista Ron Kitchen Jr. Os outros homens sentados na bancada riram.

“Na verdade, eu ia dizer isso”, respondeu Carnahan. Ele havia apoiado uma moção para ouvir o item só para que eles pudessem ter uma discussão sobre o Times, disse ele. “Eu não concordo com ele, não gosto deles, são notícias falsas e estou votando não.”

Sugerindo que a falta de recursos não era o problema, Carnahan disse que a biblioteca poderia pegar os milhares de dólares que custaria uma assinatura institucional do Times e fazer outra coisa.

“E os membros da comunidade que realmente queiram ler o jornal poderiam simplesmente assinar para entrega em domicílio. “Eu apoio Donald Trump”, concluiu.

Flanqueados por uma bandeira do condado que representa peixes-bois brincando, os quatro congressistas presentes concordaram em recusar o pedido.

Quando um quinto congressista, Jimmie Smith, voltou ao lugar e descobriu o que havia perdido, não teve problemas em negar a verba da biblioteca. “Por que diabos nós gastamos dinheiro com algo assim?”, perguntou Smith, um ex-deputado estadual republicano.

A comissão passou para outros tópicos: aprovou um contrato de zeladoria e declarou outubro o “Mês dos Amigos da Biblioteca”, aparentemente sem nenhum sentido irônico.

Posteriormente, dois congressistas que não haviam se manifestado durante a reunião disseram ao jornal Citrus County Chronicle que estavam preocupados com o fato de que concordar em pagar pelo Times levasse a pedidos de assinaturas de outras “publicações radicais”.

“Não acho que o município seja obrigado a assinar todos os grandes jornais ou acatar todos os pontos de vista”, disse Jeff Kinnard, presidente da comissão. “Em algum momento você traça a linha divisória.”

Outro congressista, Brian Coleman, disse que suas preocupações também são de natureza política. “Eu apoio o presidente Trump”, afirmou. “Eu diria que eles colocam coisas lá que não são necessariamente verificadas.”

O Chronicle observou que os quatro congressistas que aceitaram dar entrevistas disseram que não liam o jornal The New York Times.

Como o jornal também apontou, o sistema de bibliotecas do Condado de Citrus gasta cerca de US$ 3.000 por ano com uma assinatura impressa do Times.

No entanto, duas das quatro bibliotecas do condado recebem o jornal apenas no domingo, e os funcionários esperavam ampliar seu alcance. Certamente, a decisão da comissão foi decepcionante.

“A opinião política pessoal de alguém não deveria decidir quais recursos da biblioteca estão disponíveis a todo o condado”, disse Sandy Price, presidente do conselho consultivo da biblioteca. “As bibliotecas precisam garantir que todos os pontos de vista estejam representados.”

Outros foram mais diretos. “O Condado de Citrus, conhecido há muito tempo pela erosão geológica, agora também pode ser conhecido pela censura”, tuitou o editor de fotografia do Wall Street Journal, Matt Riva.

Os críticos fizeram comparações com a sociedade distópica do romance de Ray Bradbury “Fahrenheit 451” e a censura do governo da Coreia do Norte, e acusaram a comissão de “pura estupidez e pensamento ignorante” e de serem “caipiras idiotas”.

Donald Trump discursa em conferência em Pittsburgh
Donald Trump discursa em conferência em Pittsburgh - Brendan Smialowski - 23.out.19/AFP

O Chronicle informou na sexta-feira (1) que eles foram inundados por ligações e emails de leitores. 

Alguns congressistas começaram a recuar, mas apenas um pouco. Carnahan disse ao Chronicle na semana passada que, embora ele ainda ache que o condado não deve pagar pelo Times, isso não tinha a ver com suas opiniões pessoais e era apenas uma questão de economizar o dinheiro dos contribuintes. 

Enquanto isso, Coleman disse que cometera um erro e que o assunto deveria ser revisto. “Nossa decisão deveria ter sido imparcial, em vez de se tornar algo pessoal.”

Enquanto isso, outros moradores expressaram apoio à decisão da comissão. Alguns repetiram as acusações de fake news, enquanto outros perguntaram por que as pessoas não podiam simplesmente ler a edição impressa na biblioteca ou sugeriram que quem quisesse ler o Times poderia se mudar para Nova York.

O deputado estadual republicano Anthony Sabatini, do condado próximo de Lake, parabenizou a Comissão do Condado de Citrus por sua decisão. “A Comissão do Condado de Lake deve fazer o mesmo!”, escreveu no Twitter.

Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.