Em resposta a protestos, Chile reduz pela metade salário de políticos

Medida foi aprovada de forma unânime e vale por 60 dias

São Paulo e Santiago

A Câmara dos Deputados do Chile aprovou​ nesta quarta (27), em decisão unânime (150 votos a favor), uma lei que reduz em 50% o salário e outras remunerações dos parlamentares.

A medida é provisória e vale por 60 dias enquanto uma comissão autônoma define novos tetos para altos funcionários e políticos eleitos.

Prefeitos e membros do Judiciário e do Ministério Público foram poupados da redução. 

O presidente chileno Sebastían Piñera discursa ao lado do ministro de Interior e da Segurança, Gonzalo Blumel (dir.) e seu subsecretário, Robrido Ubilla (esq.), em Santiago
O presidente chileno Sebastían Piñera discursa ao lado do ministro de Interior e da Segurança, Gonzalo Blumel (dir.) e seu subsecretário, Robrido Ubilla (esq.), em Santiago - John Ordonez/AFP

A comissão que vai discutir as remunerações deve incluir servidores que já trabalharam no Banco Central e na Controladoria Geral da República.

Após o fim da sessão, o deputado Gabriel Boric, um dos apoiadores da iniciativa, disse ao jornal La Tercera que espera que a redução de 50% “seja o piso” da comissão para fixar os novos valores.

O deputado Jorge Alessandri criticou o fato de o Judiciário ter ficado de fora do ajuste. "Acreditávamos que o sinal de apertar o cinto era importante." Ele disse ainda esperar que a comissão reconsidere essa decisão. 

A medida é uma resposta aos protestos que tomam o país há seis semanas. Em uma escalada na tensão social, saques em um hotel e em vários supermercados, além de incêndios em diferentes partes do Chile, foram registrados na madrugada desta quarta.

Após a noite de atos, o presidente conservador Sebastián Piñera convocou reunião de emergência com diversos ministros na sede do governo, um dia após pedir que o Exército volte às ruas para defender a infraestrutura do país.

Segundo o ministro da Defesa, Alberto Espina, os protestos —que começaram em reação ao aumento da tarifa do metrô há mais de um mês e passaram a abarcar pautas mais amplas, como a reforma constitucional— estão “alcançando níveis de violência que não eram vistos desde o retorno à democracia”, em 1990.

A cidade turística de La Serena, que fica na costa norte do país, registrou um dos episódios mais violentos: o tradicional hotel Costa Real, em que trabalham 60 funcionários, foi saqueado e em seguida queimado por homens encapuzados.

Eles reviraram mesas, danificaram a pintura das paredes e quebraram janelas

Na portuária San Antonio, na região de Valparaíso, a fúria foi repetida com atos de vandalismo que incluíram o ateamento de fogo às instalações do jornal local El Líder. 

Ao sul, em Concepción, uma manifestação terminou com incidentes violentos entre homens encapuzados e a polícia.

Já em Santiago, a estação de metrô República —localizada em um distrito universitário no centro— sofreu novamente danos que obrigaram as autoridades a suspender sua operação, acrescentando um novo problema à rede ferroviária metropolitana, que teve mais de 70 estações danificadas desde o início dos protestos, em 18 de outubro.

Em várias partes do país, os panelaços voltaram com força na noite de terça-feira (26), depois da confirmação de que o estudante universitário Gustavo Gatica, 21, ficou totalmente cego devido às balas disparadas por oficiais há algumas semanas. 

Mais de 200 pessoas sofreram danos graves nos olhos durante as manifestações. Após a reunião no Palácio de la Moneda, Piñera advertiu que “a violência está causando danos que podem se tornar irreparáveis para o corpo e a alma da nossa sociedade”.

Para o chefe do Senado, Jaime Quintana, de centro-esquerda, o presidente deveria assumir a responsabilidade pela violência. “O governo está longe de ter feito tudo o que poderia e deveria ter feito.”

Na manhã desta quarta, o movimento “No+Tag” —que exige uma queda nos preços das tarifas rodoviárias— retomou as principais vias de acesso de Santiago, causando engarrafamentos.

Pela tarde, um shopping no bairro de Las Condes recebeu protestos pacíficos, e diversas estações de metrô no distrito financeiro foram fechadas em função das manifestações.

Até agora, houve 26 mortos e mais de 2.800 feridos em decorrência dos protestos. Nesta quarta, o peso chileno atingiu desvalorização recorde.

Piñera também desistiu de participar da conferência do clima COP 25, que será realizada de 2 a 13 de dezembro, em Madri, na Espanha. A informação foi confirmada pela ministra do Meio Ambiente, Carolina Schmidt, em um café da manhã com sua par espanhola, Teresa Ribera, informou o jornal La Tercera.

O Chile sediaria a conferência, mas desistiu logo após o começo dos protestos.

Até agora, os esforços de Piñera para conter a violência foram em vão, apesar das promessas de aumentar as pensões, o salário mínimo e os benefícios de saúde, além de convocar um plebiscito para consultar se os chilenos querem uma nova Constituição.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.