Descrição de chapéu Venezuela

Estimulado pela Bolívia, Guaidó tenta reacender campanha contra Maduro

Queda de Evo Morales estimula líder opositor a convocar novos atos na Venezuela

Caracas | AFP

Estimulado pela situação da Bolívia, onde o presidente Evo Morales renunciou após pressão popular e de militares, o líder opositor venezuelano Juan Guaidó tentará neste sábado (16) reavivar a força dos protestos contra o ditador Nicolás Maduro.

Guaidó convocou manifestações, mas a resposta às convocações é incerta após seis meses sem conseguir repetir os grandes atos que acompanharam sua autoproclamação como presidente interino da Venezuela, em janeiro.

O líder opositor da Venezuela, Juan Guaidó, durante entrevista coletiva em Caracas
O líder opositor da Venezuela, Juan Guaidó, durante entrevista coletiva em Caracas - Federico Parra/AFP

A última grande mobilização convocada por Guaidó ocorreu em 1º de maio, um dia após uma fracassada rebelião militar contra Maduro.

 
Nos meses seguintes, houve conversas entre governo e oposição mediadas pela Noruega. Mas elas foram encerradas em setembro, sem alcançar resultados.

Na quarta-feira (13), aliados de Guaidó invadiram a embaixada da Venezuela em Brasília, mas deixaram o local depois de mais de 12 horas. 

Uma pesquisa da empresa Datanalisis, realizada de 18 a 25 de outubro, indica que 32% dos entrevistados na Venezuela estão dispostos a protestar para apoiar o líder da Assembleia Nacional, único poder controlado pela oposição.

Com o apoio de cerca de 50 países liderados pelos Estados Unidos, Guaidó disse sentir um "frescor de liberdade" após a renúncia de Evo pressionado por denúncias de fraude nas eleições de 20 de outubro.

Ele traça um paralelo entre a crise boliviana e a exigência da oposição de que Maduro "cesse a usurpação" e que novas eleições sejam realizadas, já que, segundo o opositor, sua reeleição em 2018 foi fraudulenta.

"A solução passa por todos exercitarmos nossos direitos nas ruas com força", repete Guaidó, um engenheiro de 36 anos. De acordo com a empresa Delphos, ele tem 25% de apoio dos venezuelanos. 

Até agora, confirmaram participação os sindicatos de trabalhadores, punidos pela pior crise da história recente do país, na qual o salário mínimo (US$ 10,70, cerca de R$ 45) mal dá para comprar quatro quilos de carne devido à inflação que fechará neste ano em 200.000%, segundo o FMI.

"Estamos adormecidos. Veja o que aconteceu na Bolívia. Temos que fazer o mesmo", disse à agência de notícias AFP a administradora Zoraida Rodríguez, 69.

Maduro também pediu aos seus apoiadores que se mobilizassem no sábado e alertou a oposição de que não tolerará uma tentativa de golpe de Estado como a sofrida por Evo.

"Não se enganem, não façam cálculos falsos conosco", disse o ditador de 56 anos. Os protestos contra ele, realizados desde 2014, deixaram ao menos 200 mortos.

Para auxiliar na defesa de seu regime, Maduro ordenou a mobilização das milícias, grupo composto por 3,2 milhões de civis ligados às Forças Armadas.

Agarrando-se ao poder com o apoio dos militares e de Cuba, Rússia e China, Maduro diz que a culpa pela crise interna é das sanções do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Trump advertiu que os protestos na Bolívia enviavam um forte recado aos regimes de Maduro e do ditador nicaraguense, Daniel Ortega.

No entanto, o apoio a Guaidó diminuiu, a ponto de 38% das pessoas que se dizem ligadas à oposição desejarem o surgimento de outro líder, de acordo com a Delphos.

O mandato de Guaidó como presidente da Assembleia Nacional termina em 5 de janeiro. Ele se autodeclarou presidente interino sob o argumento de que este cargo caberia a ele justamente por chefiar o Legislativo. 

Embora a maioria da coalizão apoie sua continuidade, um acordo anterior estabelece que a presidência rotativa corresponde a partidos minoritários, alguns críticos de Guaidó e outros em negociações com o governo.

A luta pelo poder pareceu ter acabado em setembro, após o fracasso de um diálogo entre delegados de Maduro e Guaidó, que contou com a mediação da Noruega.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.