Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Falha logística marca estreia do governo à frente de cúpula do Bric

Membros de delegações estrangeiras desistiram de participar de um encontro empresarial

Brasília

A estreia do governo de Jair Bolsonaro (PSL) na organização de um evento internacional foi marcada por problemas de logística e informação, levando integrantes de delegações estrangeiras a desistirem da participação em um encontro empresarial.

Para chegar ao local onde ocorreu um fórum empresarial da 11ª Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), nesta quarta (13), em Brasília, jornalistas e autoridades enfrentaram problemas no deslocamento. Diferentemente do divulgado pelas autoridades, o acesso não foi permitido por meio de carros particulares, táxis ou serviços de aplicativos. 

Jair Bolsonaro, no centro, Vladimir Putin, à direita, e Xi Jinping, à esquerda, durante encontro do Brics em Brasília
Jair Bolsonaro, no centro, Vladimir Putin, à direita, e Xi Jinping, à esquerda, durante encontro do Brics em Brasília - Sergio Lima/AFP

Quem tentava chegar ao local foi deslocado ao Clube do Exército, a 2 km da cerimônia. Apesar da informação de que o traslado seria feito por vans, integrantes de delegações e jornalistas credenciados foram informados de que não havia autorização para a partida. 

Não havia no local profissionais capacitados para se comunicar em línguas estrangeiras e estavam presentes apenas oficiais de baixa patente do Exército.

Após reclamações ao Planalto, um veículo de emergência foi enviado minutos antes do início da solenidade. Auxiliares do governo sul-africano também foram barrados e tiveram de esperar por mais de uma hora para chegar à cerimônia.

Pela manhã, o encontro bilateral entre Bolsonaro e o presidente chinês, Xi Jinping, no Itamaraty, também foi marcado por desorganização. No local montado no ministério para que os jornalistas acompanhassem os pronunciamentos ao final do encontro bilateral, nenhum dos fones com tradutores funcionava. 

O único televisor que transmitia parou de funcionar durante a declaração do brasileiro. 

Um repórter da TASS, agência oficial do governo russo, não conseguiu ser credenciado nem após pedidos da chancelaria russa. Ele brincou: “Tudo bem, no ano que vem a cúpula será na Rússia, vocês vão ver”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.