Descrição de chapéu The Wall Street Journal Governo Trump

Pesquisa aponta que 49% dos americanos removeriam Trump do cargo

Linhas partidárias se tornam cada vez mais determinantes em apoio ao impeachment

Aaron Zitner
Washington | The Wall Street Journal

Um país polarizado está se dividindo ainda mais em seus recantos partidários mais rígidos, com os republicanos firmando oposição à investigação de impeachment do presidente Donald Trump na Câmara e os democratas dando apoio crescente à sua remoção do cargo, segundo uma nova pesquisa do Wall Street Journal/NBC News.

Cerca de 53% dos americanos pesquisados disseram aprovar o inquérito de impeachment conduzido pelos democratas, enquanto 44% o desaprovam.

Quase a metade (49%) diz que Trump deveria ser destituído e afastado da Casa Branca com base no que eles ouviram até agora, com 46% se opondo ao impeachment e à remoção.

Donald Trump fala a repórteres antes de embarcar no Air Force One com destino a Nova York
Donald Trump fala a repórteres antes de embarcar no Air Force One com destino a Nova York - Joshua Roberts - 3.nov.2019/Reuters

Quando a pesquisa fez uma pergunta semelhante no início de outubro, o apoio ao impeachment era de 43% e a oposição de 49%.

Embora muitas mudanças no decorrer de outubro estejam dentro das margens de erro das pesquisas, elas sugerem que os americanos agora estão divididos por partido sobre o impeachment no mesmo grau em que se dividem sobre o próprio Trump.

Entre os democratas, o apoio à remoção de Trump do cargo aumentou para 88%, 13 pontos percentuais a mais que no início de outubro e em linha com os 92% que desaprovam o desempenho do presidente no cargo.

Entre os republicanos, a oposição à remoção de Trump subiu para 90%, um aumento de 5 pontos percentuais e quase idêntico aos 91% que aprovam o desempenho do presidente na função.

As opiniões sobre o impeachment são apenas um sinal de que o ano eleitoral se desdobra diante de um público altamente polarizado e engajado. Cerca de 72% dos americanos se consideram altamente interessados nas eleições —nível normalmente só observado nas semanas que antecedem o dia da eleição.

Outro sinal de linhas mais rígidas apareceu quando os eleitores foram questionados sobre sua escolha para 2020. Mesmo antes de conhecer o candidato democrata, 34% disseram que certamente votariam em Trump e 46% disseram que votariam contra ele.

Apenas 17% disseram que seu voto dependia de qual candidato os democratas escolherão para desafiar Trump.

O interesse pela eleição é igual entre democratas e republicanos, e é alto o suficiente para sugerir que a participação baterá recordes no próximo ano, acrescentando novas incertezas ao resultado, disseram os pesquisadores.

O republicano Bill McInturff, que conduziu a pesquisa com o democrata Jeff Horwitt, disse que a pesquisa vê poucos sinais de pressão política da base republicana sobre os senadores desse partido para tirar Trump do cargo, caso a Câmara vote pelo impeachment. Mas a pesquisa também aponta para "um caminho muito mais desafiador pela frente em novembro próximo, com juízes nas urnas", disse ele.

Em testes contra dois importantes candidatos democratas nas primárias, Trump ficou atrás do ex-vice-presidente Joe Biden em 9 pontos percentuais, 41% a 50%, e atrás da senadora Elizabeth Warren, de Massachusetts, em 8 pontos, por 42% a 50%.

Em outros desafios para Trump, a metade dos participantes da pesquisa disse não ter confiança de que ele tem as metas e as políticas corretas, com outros 14% dizendo que estavam "apenas um pouco confiantes". Isso comparado com 35% que tinham altos níveis de confiança em Trump.

A maioria deu notas baixas a Trump em matérias militares e de segurança —41% disse que a decisão  de retirar as tropas americanas da Síria foi errada, enquanto 29% disseram que foi o certo a se fazer.

Ao mesmo tempo, entrevistados de diferentes posições políticas disseram que a morte do líder do Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi em uma operação militar dos EUA na semana passada tornaria os EUA mais seguros.

"Este processo de impeachment está afetando a posição política de Donald Trump? A resposta até o momento —e eu quero responder enfaticamente— é não, não está", disse McInturff. "Esses são exatamente os mesmos números que estamos vendo há um ano e meio."

A pesquisa do Journal/NBC News entrevistou 900 adultos de 27 a 30 de outubro. A margem de erro foi de mais ou menos 3,27 pontos percentuais para toda a amostragem.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.