Presidente do Chile é processado sob acusação de crimes contra a humanidade

Denúncia feita por defensores de direitos humanos foi aceita pela Justiça

Santiago | AFP

Um tribunal do Chile acolheu nesta quarta (6) uma ação movida contra o presidente Sebastián Piñera por sua responsabilidade em supostos crimes contra a humanidade durante a onda de protestos no país.

A ação foi movida contra o mandatário pela "responsabilidade que lhe cabe, como autor, como chefe de Estado e de todos os que resultem responsáveis como autores, encobridores e/ou cúmplices de crime contra a humanidade", de acordo com documento apresentado em um tribunal em Santiago por advogados que representam organizações de direitos humanos.

O juiz responsável pelo caso, Patricio Álvarez, acatou a denúncia e, seguindo o rito, encaminhou o processo ao Ministério Público —o órgão é responsável por realizar uma investigação, dando assim início à tramitação do caso.

O documento assinado pelos advogados relata que a polícia e os militares que atuaram na repressão dos protestos cometeram ao menos nove crimes, entre eles homícidio, tortura, detenção arbitrária e abuso sexual.

Segundo os postulantes, as infrações tiveram início no dia 18 de outubro, quando as manifestações ganharam força e Piñera determinou um estado de emergência, entregando ao Exército o controle da segurança da capital, Santiago, e de outras cidades.

Os protestos deixaram 20 mortos até o momento —cinco deles por ação direta de agentes do Estado. O Instituto Nacional de Direitos Humanos contabilizou até esta quarta-feira 1.778 feridos e cerca de 5.000 detidos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.