Descrição de chapéu Dias Melhores

Brasileiros 'adotam' imigrantes e se tornam sua segunda família no país

No Dia Internacional do Migrante, leia histórias de acolhimento a haitiano, sírio e venezuelanos

São Paulo

O haitiano Manier Sael, 44, chegou ao Brasil em 2013, buscando oportunidades que seu país, devastado por desastres naturais e pela pobreza, não podia oferecer. Um ano depois, foi a vez de Salim Alkhrezati, 37, que veio para São Paulo fugindo da Síria em guerra. Mais recentemente, em 2018, Raul Siccalona, 73, cansou-se da crise humanitária na Venezuela e se mudou para cá com a esposa, Elvira.

Além de fazerem parte de três dos principais fluxos migratórios recentes para o Brasil, esses estrangeiros têm outra coisa em comum: encontraram por aqui uma segunda família.

O haitiano Manier Sael com sua família brasileira: Eliana Machado e Jorge Mariano
O haitiano Manier Sael com sua família brasileira: Eliana Machado e Jorge Mariano - Bruno Santos/Folhapress

Manier foi acolhido por um casal desconhecido que ele hoje considera seus pais brasileiros. Salim se aproximou de outro casal e hoje é como um tio para o filho deles, que acabou de nascer. Raul e Elvira, que não têm netos, tornaram-se “avós” das sobrinhas de uma voluntária que conheceram em um projeto.

Nesta quarta-feira (18), Dia Internacional dos Migrantes, segundo o calendário da ONU (Organização das Nações Unidas), a Folha reuniu as histórias desses três encontros.

Segundo uma pesquisa que comparou o grau de aceitação a estrangeiros em 139 países, o brasileiro é mais aberto do que a média nesse quesito. O levantamento, feito pela consultoria Gallup e divulgado em 2018 pela OIM (Organização Internacional para as Migrações), mediu a receptividade em relação a imigrantes em uma escala de 0 a 9. O Brasil teve pontuação 6,38 —acima da média global, que foi 5,29.

Na pesquisa, os entrevistados respondiam o que achavam de três situações: imigrantes vivendo no país; um imigrante se tornando seu vizinho; e um imigrante se casando com um dos seus parentes. No Brasil, 53,6% dos participantes disseram que todos os três cenários são positivos. No mundo, a porcentagem não passou de 37%.

Segundo a Gallup, países com menos proporção de imigrantes apresentaram, no geral, maior aceitação a eles. Esse é considerado o caso do Brasil, em que os estrangeiros representam menos de 1% da população.

Retrato do venezuelano Raul Escalona e sua mulher, Elvira Barroso (de preto), com sua família brasileira; todos abraçados olhando para a câmera
O venezuelano Raul Escalona e sua mulher, Elvira Barroso (de preto), com sua família brasileira - Bruno Santos/Folhapress

“Realmente a impressão de muitos estrangeiros é que aqui a receptividade é grande. O Brasil tem uma tradição de acolher imigrantes, e a própria legislação brasileira de migração e refúgio é considerada avançada”, diz Guilherme Otero, coordenador de projetos da OIM. “Mas isso também depende da região. São Paulo, por exemplo, costuma ter mais abertura. E há um componente racial. É mais fácil encontrar relatos de imigrantes brancos que são bem tratados do que de negros, asiáticos ou indígenas”, pondera.

Para Otero, a imigração é benéfica para o país de destino não só do ponto de vista cultural, mas também no âmbito econômico. Ele cita pesquisas internacionais que mostraram que os fluxos migratórios têm mais efeitos benéficos do que negativos, especialmente de longo prazo. “Quem acha que imigrantes são um fardo esquece que eles pagam impostos como os brasileiros, ou até mais, porque têm uma série de taxas extras de documentação. Além disso, muitos empreendem e geram emprego. Isso supera os chamados gastos sociais”, afirma.

Casal se torna ‘pai e mãe’ de haitiano após acolhê-lo em casa

“Está com dó? Leva para casa.” A expressão popular foi adotada ao pé da letra por Jorge Mariano, 62, e Eliana Machado, 59. Numa noite de agosto de 2013, o pintor e a dona de casa foram buscar a irmã dela na rodoviária. Voltaram com cinco haitianos até então desconhecidos, que hospedaram durante oito meses em sua casa em São Mateus, na zona leste de São Paulo.

Um deles era Manier Sael, 44, que chegou ao Brasil pelo Acre. No ônibus para São Paulo, ele e os outros haitianos conversaram com a irmã de Eliana. “Ela perguntou onde a gente iria dormir e dissemos que não sabíamos”, lembra ele. “Chegando lá, chamou a irmã e o cunhado para conversar. Quando voltaram, eu nem acreditei: eles aceitaram levar cinco estrangeiros que não conheciam para dentro da casa deles. Nunca vou esquecer esse ato de amor.”

Inicialmente, os filhos e os vizinhos do casal estranharam. “O pessoal falou: ‘Seu Jorge ficou ‘xarope’”, lembra ele, rindo. Mas muita gente ajudou com doações de cobertores e cestas básicas —a comida do mês da despensa acabou em uma semana devido à grande demanda.

A ideia inicial era que os imigrantes ficassem na casa apenas no primeiro dia e depois fossem para um abrigo. Com medo de ser atacado, Jorge chegou a guardar um porrete atrás da porta do quarto. Com a convivência, porém, ele se tranquilizou e decidiu estender a estadia do grupo. Ainda conseguiu trabalho para os cinco hóspedes e foi fiador no aluguel de uma casa para eles.

“Hoje eles já andam com suas próprias pernas”, diz Eliana. “Aprendemos muito com eles também. Eu nem sabia que existia o Haiti. Hoje sei que existe todo um mundo lá fora. E ganhei mais filhos e netos.”

Manier chama Jorge e Eliana de pais. Foi Eliana que entrou de mãos dadas com ele na igreja, no dia de seu casamento. “Ali eu fui… fui, não… eu sou a mãe dele”, diz a brasileira.

Religioso, Jorge considera que a oportunidade de ajudar foi um chamado de Deus. Ele chora ao se lembrar da assistência que Manier lhe deu quando ficou doente ou da ajuda que teve do grupo de haitianos na construção de uma casa para uma família que estava sofrendo com enchentes.

Já Manier diz que não era tão abraçado nem pelos pais biológicos. “No Haiti não tem o costume de o pai abraçar e beijar. Aqui meus pais me beijam, falam que me amam. Me sinto muito querido.”

Venezuelanos são chamados de ‘avós’ por estudante

Até pouco tempo atrás, a estudante Gabriela Roque, 20, tinha ouvido falar da crise na Venezuela apenas superficialmente, pelo noticiário. Hoje, a garota se considera “neta” de Raul, 73, e Elvira Siccalona, 65, dois imigrantes venezuelanos.

O encontro entre eles aconteceu no ano passado, em um almoço na casa da família em Jundiaí. A tia de Gabriela, Andrea Leoncini, conheceu Raul e Elvira quando participava de um projeto voltado para o empreendedorismo de imigrantes.

“Tivemos uma afinidade muito grande e quis que eles conhecessem minha família”, diz Andrea, 50. “Meus sobrinhos formaram uma roda em volta e eles foram relatando coisas sobre a Venezuela, contando histórias. Eles se apaixonaram uns pelos outros.”

“O que ele contou me chocou muito. Era uma realidade totalmente diferente da minha”, diz Gabriela.

Raul lembra que, nesse dia, as crianças da família confeccionaram uma bandeira venezuelana de papel, onde escreveram palavras de incentivo. “Eles nos acolheram como se nos conhecessem há muito tempo. Apesar das dificuldades com o idioma, todo mundo colocou seu grão de areia para que a comunicação entre nós fosse boa.”

Depois desse dia, as famílias se mantiveram próximas. No aniversário de Elvira, Andrea levou-a para um dia de cuidados de beleza em um cabeleireiro. Raul e Gabriela sempre trocam mensagens pelo WhatsApp, seja para pedir notícias, seja para “dar conselhos de avô para neta”.

“Para mim, esse encontro mostrou que somos parte de uma família planetária. Basta ter disponibilidade que a gente se encontra”, diz Andrea.

Sírio se considera ‘tio’ de bebê brasileiro

O sírio Salim Alkhrezati, 37, tem dois sobrinhos nascidos com menos de 24 horas de diferença. Um deles, Khalil, é filho de seu irmão e está na Turquia. O outro, Felipe, é brasileiro e vive em São Paulo.

Felipe, de quatro meses, é filho da assistente executiva Vanessa Luso, 35, e do trader Cesar Augusto Borba Moraes, 31. Eles conheceram Salim no projeto Meu Amigo Refugiado, que incentiva brasileiros a convidarem imigrantes para eventos festivos como o Natal.

O sírio foi chamado para um almoço de Páscoa com o casal, quando Vanessa estava grávida. “Eles foram muito carinhosos comigo. O amor você não compra, ele acontece”, diz o imigrante.

Desde então, eles mantêm contato. “Procuramos nos falar sempre que dá. Já até comprei o presente dele de Natal”, diz Vanessa. “É uma troca cultural muito interessante.”

Salim veio para o Brasil sozinho, em 2014. Seus pais e irmãos estão espalhados pela Síria, Alemanha e Turquia. Ele próprio morou no Líbano, na Jordânia, na Malásia e na Turquia, antes de desembarcar em São Paulo.

Quando Felipe nasceu, passou a se considerar tio dele. Presenteou-o com seu nome escrito em árabe e com um elefante de pelúcia semelhante ao que ele próprio tinha quando criança.

Apesar das dificuldades que vive aqui —é formado em engenharia da computação, mas trabalha como caixa de um estacionamento, por exemplo—, Salim diz que não quer ir embora. “Pensava em ir para a Europa, mas hoje não quero porque gosto daqui, da forma como sou tratado. Os brasileiros são muito legais. Você pede uma ajuda no ponto de ônibus e eles ficam com você até achar o endereço que procura.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.