Chipre disputa controle de reservas marítimas de gás com a Turquia

País levou disputa ao Tribunal Internacional, em Haia

Atenas | Reuters

O Chipre pediu ao Tribunal Internacional de Justiça, em Haia, na Holanda, que proteja seus direitos minerais em alto-mar, disse seu presidente na quinta-feira (5), aumentando a aposta com a vizinha Turquia, que contesta suas reivindicações.

O governo de Chipre descobriu reservas de gás em sua costa em 2011, mas está em conflito com o país vizinho nas zonas marítimas da ilha, onde concedeu licenças a empresas multinacionais para prospecção de petróleo e gás.

Plataforma de perfuração da Turquia no mar Mediterrâneo - Murad Sezer - 6.ago.2019/Reuters

O presidente cipriota, Nicos Anastasiades, disse que está comprometido em proteger seus direitos soberanos por todos os meios legais disponíveis.

A Turquia, que não mantém relações diplomáticas com o governo de Chipre, afirma que algumas áreas em que empresas ligadas ao Chipre estão na plataforma continental turca ou em áreas onde um estado cipriota-turco separatista tem direitos sobre as descobertas.

O país enviou seus próprios navios de perfuração para a ilha.

Membro da União Europeia, o Chipre foi dividido em uma invasão turca em 1974, após um breve golpe de inspiração grega. A Turquia apoia um Estado cipriota-turco separatista no norte de Chipre.

Tanto cipriotas-gregos quanto turcos criaram a República de Chipre em 1960, mas a parceria desmoronou em 1963, deixando grupos de origem grega no governo da ilha. 

O TIJ tem o poder de tomar decisões compulsórias sobre os países que reconhecem sua jurisdição.

A verdadeira petição apresentada pelo Chipre não foi divulgada, e as autoridades de Nicósia rejeitaram qualquer comentário imediato.

Anastasiades disse que o Chipre tentou enviar um aviso de suas intenções à embaixada da Turquia em Atenas, mas não foi aceito.

"Então foi enviado de outra maneira", disse ele. "Há provas de que foi recebido e, portanto, dá (ao Chipre) o direito de recorrer."

A TV Sigma, do Chipre, que noticiou a petição pela primeira vez, disse que o comunicado foi enviado por fax.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.