Ato de apoio à oposição vira maior manifestação na Tailândia desde 2014

Milhares de pessoas participaram de protesto contra pedido do governo para banir partido crítico

Bancoc | Reuters

Milhares de pessoas participaram neste sábado (14) do maior protesto na Tailândia desde o golpe militar de 2014. O ato contra o governo de Prayuth Chan-ocha foi uma resposta a um movimento das autoridades para banir o partido de oposição Future Forward.

A manifestação em Bancoc, convocada apenas um dia antes pelo líder da sigla, Thanathorn Juangroongruangkit, reviveu as memórias dos protestos de rua que assolaram a capital tailandesa periodicamente durante as duas últimas décadas.

Apesar da ameaça de que o partido seja banido, não houve tentativa de impedir a manifestação.

O líder do partido Future Forward, Thanathorn Juangroongruangkit, em meio à multidão de manifestantes em Bancoc - Soe Zeya/Reuters

"Isso é apenas o começo", disse Thanathorn à multidão, que se espalhou pelas passarelas e escadas próximas ao shopping MBK Center, no coração do distrito comercial e de negócios da cidade. "Estamos aqui hoje apenas como teste. Prayuth, ainda não tenha medo. O verdadeiro [protesto] é no próximo mês", completou.

Os opositores planejam uma "corrida contra a ditadura" para 12 de janeiro.

Thanathorn, um bilionário de 41 anos, emergiu como principal oponente da administração do ex-líder militar Prayuth, 65, desde uma eleição em março que a oposição disse ter sido manipulada para favorecer o Exército.

O comitê eleitoral da Tailândia pediu ao Tribunal Constitucional que dissolva o partido Future Forward, acusando-o de violar as leis que governam os partidos políticos ao aceitar empréstimos multimilionários de Thanathorn.

No mês passado, o Tribunal Constitucional desqualificou Thanathorn como membro do Parlamento por possuir ações em uma empresa de mídia na data em que sua candidatura foi registrada. Thanathorn contestou a decisão.

Entre a multidão de manifestantes, estavam alguns veteranos da "camisa vermelha", apoiadores do líder populista deposto Thaksin Shinawatra, que certa vez entraram em conflito em Bangcoc com os conservadores da "camisa amarela" —partidários leais do Palácio e do Exército.

Marcaram presença também manifestantes mais jovens, muitos dos quais em seu primeiro protesto. "Está na hora", disse Pantipa Tiakhome, 30 anos. "Eles fizeram de tudo para impedir o florescimento da democracia".

Ajudado pelas mídias sociais, Thanathorn alcançou os tailandeses mais jovens. Enquanto isso, o Exército deixou claro que não gosta de um movimento que acusa de tentar reunir os jovens contra a Monarquia e as Forças Armadas.

Uma porta-voz do Future Forward disse que mais de 10 mil pessoas se juntaram à manifestação. As autoridades não deram uma estimativa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.