Monjas budistas combatem estereótipos com kung fu

Cultura patriarcal está profundamente enraizada na região

Nova Déli | AFP

Depois de suas orações matinais, um grupo de monjas budistas pratica kung fu em seu monastério, no Himalaia. Elas decidiram recorrer às artes marciais para combater estereótipos sobre o papel das mulheres na região, onde a cultura patriarcal está profundamente enraizada.

"No Himalaia, as meninas nunca são tratadas em condições de igualdade, nem recebem as mesmas oportunidades, e é por isso que queremos incentivá-las", diz Jigme Konchok Lhamo, de 25 anos.

Monjas budistas demonstram suas habilidades de kung fu em nova Déli, na Índia - Sajjad Hussain/AFP

"O kung fu nos ajudou a romper um círculo vicioso em favor da igualdade de gênero, porque nos sentimos mais seguras e mais fortes física e mentalmente", acrescenta. "Praticamos para dar o exemplo a outras garotas."

As monjas pertencem a um monastério localizado na montanha Amitabha do Nepal, filiado à histórica escola Drukpa de Budismo Tibetano.

Em 2008, no âmbito de sua missão para implantar a igualdade de gênero no budismo, o líder espiritual Gyalwang Drukpa as encorajou a aprender kung fu e combater as regras tradicionais que proíbem as meninas e mulheres de sairem dos monastérios, conduzir orações ou serem ordenadas completamente.

Animadas por sua destreza no combate, as monjas viajam por todo o sul da Ásia para dar aulas de defesa pessoal e promover a conscientização sobre o tráfico de seres humanos numa região onde pouco é falado sobre a violência contra as mulheres. Elas também realizam longas travessias a pé ou de bicicleta pelas montanhas para chegar até as comunidades mais remotas.

Há pouco tempo as monjas concluíram uma viagem de bicicleta que durou três meses e percorreu 8.370 quilômetros do Nepal até as montanhas de Ladakh, no norte da Índia, "em favor da paz". Ao longo do trajeto, pregaram sua mensagem de igualdade de gênero e de empoderamento feminino.

Lhamo, que visitou Nova Déli, na Índia, no início do mês antes de receber um prêmio internacional em Nova York pelos esforços das monjas para inspirar meninas e mulheres, tornou-se monja aos 12 anos, apesar do desacordo de sua família.

"No início, recebemos muitas críticas. As pessoas não gostavam de nós porque estávamos quebrando muitas regras", diz Lhamo. "Mas agora quando voltamos a esses lugares, a resposta é positiva."

"As escolas agora nos convidam. Colocam as meninas na frente e os meninos atrás. Dão às meninas as mesmas oportunidades de fazer perguntas e de falar conosco", acrescentou a monja.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.