Sindicato francês dá ultimato a governo para que retire proposta de reforma da previdência

Primeiro-ministro pediu trégua na greve dos transportes públicos para festas de fim de ano

Paris | Reuters

O sindicato francês CGT —que reúne trabalhadores dos setores metroviário, de transporte, minas e energia e químico— ameaçou no domingo (15) duplicar os protestos contra o governo, a menos que este retire a proposta de reforma previdenciária dentro de uma semana.

O governo de Emmanuel Macron propõe que funcionários trabalhem dois anos extras para que recebam a aposentadoria integral. A proposta gerou protestos massivos no país, e metroviários em greve têm causado a paralisação parcial do transporte público e intermunicipal há 11 dias seguidos

Plataformas vazias na Gare Montparnasse, em Paris, durante greve do transporte público - Eric Gaillard/Reuters

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, afirmou ao jornal Le Parisien estar aberto a negociações e que se reuniria com os sindicatos nesta semana. Há novas manifestações previstas para a terça-feira (17).

Nos últimos dias, o governo está pressionando os sindicatos para que suspendam a greve para as festas de final de ano. “Uma greve renovável que faz uma trégua não existe”, disse Laurent Brun, secretário-geral do CGT, ao jornal Le Monde.

“Nosso movimento é apoiado por dois terços dos cidadãos”, completou.

Apesar da reunião que se aproxima, o governo mantém a sua determinação em realizar a reforma da aposentadoria chamada de "histórica" pelo presidente Emmanuel Macron. Ninguém parece acreditar em um acordo antes das festas de final de ano.

O tráfego ferroviário continua fortemente perturbado em todo o país. Em média, apenas 25% dos TGVs e trens internacionais circulam, 20% dos regionais e 30% dos suburbanos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.