Após apoiar ação dos EUA, Bolsonaro diz que Brasil manterá comércio com Irã

Governo iraniano reclamou de nota divulgada pelo Itamaraty sobre a morte de general

Brasília

Depois de apoiar a ação dos EUA contra o Irã, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta terça-feira (7) que o Brasil manterá o comércio com o país do Oriente Médio. 

"Temos o comércio com o Irã e vamos continuar nesse comércio", afirmou na saída do Palácio da Alvorada ao ser questionado sobre a decisão do governo iraniano de chamar a encarregada de negócios no Brasil para dar explicações sobre uma nota do Itamaraty. 

O presidente Jair Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada - José Cruz - 6.jan.2020/Agência Brasil

​O governo do Irã convocou a encarregada de negócios da embaixada do Brasil no país, Maria Cristina Lopes, para reclamar da nota oficial divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores sobre o ataque que matou o general Qassim Suleimani.

Na nota, do dia 3, o Brasil manifestou “apoio à luta contra o flagelo do terrorismo”. Lopes foi chamada porque estava no lugar do embaixador, Rodrigo Santos. Segundo o Itamaraty, a conversa foi cordial. Na prática diplomática, uma convocação desse tipo é um ato de reprimenda. 

Indagado se o Brasil poderia adotar postura semelhante e convocar os diplomatas que estão no Irã, o presidente não respondeu. 

Ele disse que aguarda para saber o que vai acontecer após a convocação e uma conversa que terá sobre o tema com o ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores). 

"O Ernesto está fora do Brasil. Ele chegando aqui eu vou conversar com ele. Eu não costumo conversar de certos assuntos sem antes ouvir o respectivo ministro", disse.

O posicionamento do Brasil em apoio à ação militar dos EUA no Iraque, que matou o general iraniano, causa preocupação ao Ministério da Agricultura

Na visão da pasta, ao abandonar a postura de neutralidade, o governo brasileiro pode colocar em risco os negócios com aquele país.

De acordo com dados do governo, em 2019, a balança comercial brasileira teve um saldo positivo de US$ 2,093 bilhões com o Irã, que compra principalmente milho, soja e carne brasileira. 

"Eu me reservo ao direito de estadista, de presidente do Brasil, de não discutir essas coisas [falar publicamente sobre a convocação do Irã]. Eu quero saber uma coisa: o Irã adotou alguma medida contra nós? Eu acho que não."

Bolsonaro repetiu que o governo brasileiro apoiou a ação americana por condenar terrorismo. "Nós repudiamos terrorismo em qualquer lugar do mundo e ponto final. é um direito deles, como é o meu também."

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado em uma versão anterior desta reportagem, o saldo da balança comercial brasileira com o Irã é de US$ 2,093 bilhões. O texto foi corrigido.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.