Ataque a faca deixa uma pessoa morta e duas feridas nos arredores de Paris

Suspeito é morto por policiais na cidade de Villejuif, ao sul da capital francesa

Villejuif | Reuters e AFP

Uma pessoa morreu e duas ficaram gravemente feridas depois que um homem fez um ataque a faca em um parque na cidade de Villejuif, nos arredores de Paris, na França, nesta sexta-feira (3).

A polícia matou a tiros o suspeito, que tentou fugir do parque Hautes-Bruyères por volta das 14h (10h no horário de Brasília).

Segundo o prefeito da cidade, Franck Le Bohellec, a vítima é um homem de 56 anos, morador da região. “Ele estava passeando com sua esposa quando o atacante se aproximou. Ele quis proteger sua esposa e foi ele quem levou a facada”, disse.

Polícia isolou o local onde um homem fez ataques com faca em uma cidade nos arredores da França
Polícia isolou o local onde um homem fez ataques com faca em uma cidade nos arredores de Paris - Christophe Archambault/AFP

De acordo com as autoridades, o atacante, identificado apenas como Nathan C., nasceu em 1997 em Lilas, um subúrbio do nordeste de Paris.

Documentos religiosos, incluindo uma cópia do Alcorão, foram encontrados entre os pertences do homem, mas não havia evidências de que ele tenha sido influenciado por islâmicos radicais, disse um porta-voz dos promotores.

Uma testemunha disse ter ouvido o agressor gritar “Allahu Akbar” ou “Deus é maior” durante o ataque.

Segundo o porta-voz, Nathan tinha histórico de doença mental, havia sido internado no hospital alguns meses atrás e estava em tratamento psiquiátrico.

Nos últimos anos, a França teve um longo histórico de ataques. Em fevereiro de 2019, um homem foi morto após ferir quatro pessoas a faca em Canebière, área histórica de Marselha, no sul da França.

Em outubro do ano passado, Mickaël Harpon, especialista em TI que trabalhava para a polícia de Paris, matou a facadas quatro pessoas na sede do órgão. Ele também foi morto.

Uma pessoa morreu esfaqueada e outras quatro ficaram feridas em um ataque em maio de 2018 no centro de Paris, que foi reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

Em dezembro do mesmo ano, um ataque a tiros deixou pelo menos 3 mortos e 12 feridos, em Estrasburgo (França).

Em janeiro de 2015, os irmãos Saïd e Chérif Kouachi invadiram a Redação do jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris, e mataram 12 pessoas. No dia seguinte, um comparsa deles matou uma policial, na véspera de adentrar um mercado kosher, fazer reféns e matar outras quatro pessoas.   

Alguns meses depois, em 13 de novembro, uma sequência de ataques na periferia e em bairros boêmios da capital francesa deixou como saldo 130 mortes.

Em 2016, nas comemorações do 14 de julho, em Nice, um homem no volante de um caminhão invadiu uma via à beira-mar reservada naquela data a pedestres e fez 86 vítimas.

Segundo a agência AFP, ataques jihadistas deixaram ao menos 255 mortos na França desde 2015.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.