Empresa israelense é investigada pelo FBI por suspeita de roubo de dados

Software feito pela NSO teria sido usado para coletar informações de pessoas e do governo

Joseph Menn Jack Stubbs
Reuters

O FBI (a polícia federal dos EUA) está investigando uma fabricante israelense de software por suspeita de coleta de dados do governo e por possíveis invasões de celulares de empresas e cidadãos americanos. 

A informação sobre o caso envolvendo a NSO Group Technologies, especializada na criação de "spyware",  foi divulgada nesta sexta-feira (31) pela agência de notícias Reuters, que conversou com quatro pessoas familiarizadas com o inquérito e que não puderam ser identificadas.

Logo do WhatsApp; Facebook acusa a NSO de explorar uma falha no serviço de mensagens para hackear 1.400 usuários
Logo do WhatsApp; Facebook acusa a NSO de explorar uma falha no serviço de mensagens para hackear 1.400 usuários - Thomas White - 3.ago.17/Reuters

A investigação estava em andamento em 2017, quando funcionários do FBI tentavam descobrir se a NSO obteve de hackers americanos qualquer código necessário para infectar smartphones, disse uma pessoa entrevistada pela polícia à época e de novo em 2019.

A NSO afirmou que vende seu software espião e seu suporte técnico exclusivamente a governos e que essas ferramentas devem ser usadas na perseguição de suspeitos de terrorismo e outros criminosos.

A empresa defende há muito tempo que seus produtos não podem mirar números de telefone dos EUA, embora alguns especialistas em segurança cibernética contestem isso.

O FBI voltou a investigar o caso com mais atenção e fez novas entrevistas com especialistas do setor de tecnologia depois que o Facebook entrou com uma ação contra a NSO em outubro.

No processo, a empresa de Mark Zuckerberg acusa a NSO de explorar uma falha no serviço de mensagens WhatsApp (que pertence ao Facebook) para hackear 1.400 usuários, de acordo com duas pessoas que falaram com representantes do Departamento de Justiça. 

A companhia israelense afirma não ter conhecimento de nenhum inquérito contra ela.

"Nós não fomos contatados por nenhuma aplicação da lei dos EUA sobre tais assuntos", disse a NSO em comunicado divulgado pela empresa de estratégia Mercury Public Affairs.

A NSO não respondeu a perguntas adicionais feitas pela Reuters sobre a conduta de seus funcionários, mas afirmou anteriormente que os seus clientes governamentais são os responsáveis por invadirem aparelhos. 

Uma porta-voz do FBI disse que a agência "segue a política do Departamento de Justiça de não confirmar nem negar a existência de qualquer investigação, por isso não poderemos fornecer mais comentários".

A Reuters não pôde determinar quais alvos suspeitos de hackers são as principais preocupações dos investigadores ou em que fase está a investigação. Mas a empresa é um foco, e uma questão importante que o FBI tenta determinar é o quão envolvida ela esteve em invasões específicas, disseram as fontes.

Parte da investigação do FBI visa compreender as operações comerciais da NSO e a assistência técnica que oferece aos clientes, de acordo com duas fontes familiarizadas com a investigação.

Os fornecedores de ferramentas de hackers podem ser processados ​​sob a Lei de Fraude e Abuso de Computadores (CFAA) ou Lei de Escutas caso eles tenham conhecimento suficiente ou envolvimento em uso inadequado, disse James Baker, consultor geral do FBI até janeiro de 2018.

A NSO é conhecida no mundo da cibersegurança por seu software Pegasus e outras ferramentas que podem ser fornecidas de várias maneiras. O software pode capturar tudo em um telefone, incluindo o texto sem formatação de mensagens criptografadas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.