Fortes chuvas em Jacarta matam ao menos 26 pessoas

Mais de 60 mil foram obrigados a deixar suas casas

Jacarta | Reuters

Dezenas de milhares de pessoas foram obrigadas a abandonar Jacarta nesta quinta (2), depois que inundações e deslizamentos de terra mataram 26 em meio às chuvas mais fortes no país nos últimos 20 anos. Há previsão de mais dilúvios.

As inundações causaram caos em partes da maior cidade do sudeste da Ásia, com linhas de trem bloqueadas e falta de energia em algumas áreas. Trechos de Jacarta e municípios próximos foram alagados com os fortes temporais que caíram em 31 de dezembro e nas primeiras horas do Ano-Novo.

Na manhã desta quinta, mais de 62 mil pessoas tiveram que abandonar suas casas somente em Jacarta, disse o porta-voz da agência de mitigação de desastres.

As chuvas em um aeroporto no leste de Jacarta mediram 377 milímetros no início de 1º de janeiro, a maior leitura diária durante grandes inundações desde pelo menos 1996, segundo a Agência de Meteorologia, Climatologia e Geofísica (BMKG).

Umar Dani, 52, e sua família foram removidos durante a noite de sua casa no leste de Jacarta em um barco de borracha depois que o nível da água subiu até o pescoço. "Não há muito tempo aqui. Não tivemos a chance de trazer nada", afirmou. "Eu tenho que viver nas ruas agora."

O presidente Joko Widodo disse que as medidas de evacuação e segurança devem ser priorizadas e apelou a uma maior coordenação entre as administrações da cidade e o governo central.

Em sua página no Twitter, Widodo responsabilizou os atrasos nos projetos de infraestrutura de controle de inundação pelas enchentes. Ele disse que algumas obras foram adiadas desde 2017 devido a problemas de aquisição de terras.

O governador de Jacarta, Anies Baswedan, disse que as autoridades implantaram centenas de bombas para sugar a água de áreas residenciais da capital, o que permitiu que algumas pessoas voltassem para casa.

A agência de mitigação informou em sua página no Twitter que os níveis de água caíram em algumas áreas afetadas, mostrando imagens de ruas cobertas de lama e cheias de detritos.

As autoridades, no entanto, alertaram as pessoas para permanecerem vigilantes, pois as condições climáticas extremas devem continuar até 7 de janeiro.

Jacarta e seus arredores abrigam mais de 30 milhões de pessoas. Mais de 50 morreram em uma das inundações mais letais da capital, em 2007 e, cinco anos atrás, grande parte do centro da cidade foi inundada depois que os canais transbordaram.

O governo anunciou no ano passado que pretende mudar a capital do país para uma área no leste da ilha de Bornéu, mas o ministério do Planejamento disse que vai investir US$ 40 bi para modernizar Jacarta.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.