Guaidó é barrado, consegue entrar, mas acaba expulso de Assembleia; veja vídeo

Tanto o líder opositor quanto deputado aliado do chavismo se consideram presidentes da Casa

Caracas e Buenos Aires | Reuters e AFP

embate inevitável entre os chavistas e a oposição na Venezuela, que marcaram uma sessão na Assembleia Nacional para o mesmo horário, na manhã desta terça-feira (7), terminou com a entrada turbulenta de Juan Guaidó na Casa, onde conseguiu formalizar os cem votos favoráveis à sua reeleição e fazer novamente o juramento como líder do parlamento por mais um ano.

A confusão ilustra a atual situação do país e a divisão no Legislativo, que no domingo (5) elegeu dois presidentes diferentes.

Primeiro, o ditador Nicolás Maduro anunciou que o deputado Luis Parra era o novo líder da Assembleia, após uma votação realizada com a sede do Legislativo cercada pela polícia  —membros da oposição chamaram a manobra de um “golpe parlamentar”.

Horas depois, opositores fizeram uma sessão alternativa com a presença de cem deputados e reelegeram Juan Guaidó.

A entrada de Guiadó na Assembleia Nacional nesta terça, porém, foi violenta. Guaidó foi agredido enquanto tentava passar pela Guarda Nacional Bolivariana. Uma vez do lado de dentro do Palácio Legislativo, o opositor e seus apoiadores tiveram de forçar a porta de entrada, guardada pelos oficiais, e entraram correndo.

Dentro da Assembleia, havia cerca de 40 deputados chavistas e mais militantes, chamados a dar apoio a Luis Parra.

“Nós somos mais [numerosos]. Conferimos a lista dos nossos apoios nome por nome, portanto temos de fazer nossas sessões no Palácio Legislativo e vamos continuar tentando”, disse à Folha o vice de Guaidó, Juan Pablo Ganipa.

Rodeado de jornalistas, Juan Guaidó grita ao ter sua entrada barrada na Assembleia
Rodeado de jornalistas, Juan Guaidó grita ao ter sua entrada barrada na Assembleia - Yuri Cortez/AFP

Fontes próximas ao líder oposicionista contaram que a estratégia desta terça-feira foi chegarem todos em bloco e tentarem entrar à força. Funcionou, uma vez que a porta do Palácio foi aberta, mesmo com integrantes da Guarda Nacional tentando segurá-la.

Logo depois, porém, foram disparadas bombas de gás lacrimogêneo na Assembleia, e os integrantes da oposição deixaram o local correndo.

Parra havia realizado uma sessão mais cedo, mas com poucos congressistas e alguns militantes chavistas para fazer parecer que havia quórum. Contagem feita pelos funcionários da Assembleia indica que não havia deputados em número suficiente.

Na confusão da entrada de Guiadó no prédio, um jornalista ficou ferido. Francesco Manetto, correspondente do jornal El País que filmava a chegada de Guaidó, foi jogado no chão por integrantes dos coletivos (milícias pró-governo) e pisoteado. Ele também teve seus pertences e seu celular roubados. 

Após o incidente, Manetto foi levado a uma clínica acompanhado por diplomatas da embaixada espanhola. 

A eleição de Parra é considerada ilegal pela maioria dos integrantes da Assembleia Nacional, composta por 167 deputados (sendo 112 de oposição e 55 apoiadores do chavismo). Para que a eleição do novo presidente fosse realizada, era necessária a presença de mais da metade deles —ou seja, ao menos 84. 

Parra afirma que 140 legisladores estavam presentes na hora da votação, mas a oposição diz que eram por volta de 60.

Além disso, segundo a agência de notícias Reuters, os deputados votaram apenas levantando as mãos, sem computar os votos, em desrespeito às regras da Casa. Já os apoiadores de Guaidó publicaram nesta terça-feira, nas redes sociais, uma lista com cada um dos votos que reelegeram o opositor.

O grupo de Lima, que reúne uma série de países que apoiam Guiadó (incluindo o Brasil), afirmou em comunicado que também não reconhece a votação feita pelo regime e que ainda o considera o presidente interino.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.