Guaidó reúne multidão em Madri após premiê espanhol se recusar a encontrá-lo

Aliança do partido de Pedro Sanchez com o Podemos, simpático ao chavismo, teria levado à recusa

Madri | AFP

O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, chegou neste sábado (25) à Madri, onde participou de um comício e se encontrou com ministros, mas não foi recebido pelo premiê, o socialista Pedro Sánchez —a recusa desencadeou uma crise no país.

Em comício na Porta do Sol, coração da capital espanhola, o venezuelano pediu, diante de milhares de pessoas, para "nos mantermos de pé" contra a "ditadura" venezuelana. "Viva a Venezuela livre", gritou Guaidó ao público, que segurava bandeiras do país. 

Em sua primeira reação à polêmica, Sánchez, do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), evitou se pronunciar diretamente sobre não ter se reunido com Guaidó, mas demonstrou seu compromisso com o "caminho democrático" como saída para "uma crise complexa, que exigirá diálogo" na Venezuela.

Ele falou a jornalistas neste sábado na região de Valência (leste do país).

Líder opositor venezuelano Juan Guaidó com bandeira de seu país durante ato em Madri
Líder opositor venezuelano Juan Guaidó com bandeira de seu país durante ato em Madri - Javier Soriano/AFP

"Sempre apoiamos a oposição venezuelana", acrescentou Sánchez, citando como exemplo Leopoldo López, refugiado na residência do embaixador espanhol em Caracas. Guaidó é reconhecido como presidente interino da Venezuela por 50 países, incluindo a Espanha.

Em vez do encontro com Sanchéz, o venezuelano teve uma reunião com a ministra das Relações Exteriores, Arancha González, no centro cultural Casa da América —e não na sede da chancelaria.

González disse a Guaidó que ele "o apoio total do governo da Espanha" e transmitiu o desejo dos europeus de que haja "condições para a realização de eleições presidenciais com garantias democráticas", segundo comunicado de seu gabinete. 

Pablo Casado, líder do oposicionista Partido Popular (PP), criticou o primeiro-ministro por não receber "o presidente legítimo da Venezuela" e relacionou a postura de Sánchez à entrada no governo do partido de esquerda Podemos, que no passado demonstrou simpatia com o chavismo.

Apoiadores de Juan Guaidó durante ato na Porta do Sol, em Madri
Apoiadores de Juan Guaidó durante ato na Porta do Sol, em Madri - Susana Vera/Reuters

O PP deu ao venezuelano uma recepção de chefe de Estado. Além de se reunir com Casado, Guaidó recebeu do prefeito de Madri, José Luis Martínez-Almeida, a chave de ouro da cidade, em um ato no qual foi apresentado como presidente da Venezuela. 

"Sabemos que não estamos sozinhos", disse Guaidó após receber o reconhecimento da Prefeitura de Madri.

O líder da oposição venezuelana chegou à Espanha após visitar Londres, Bruxelas, Davos e Paris, em uma turnê europeia que tem o intuito de buscar apoio para retirar o ditador Nicolás Maduro do poder.

Ele foi recebido pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.