Palestinos ameaçam deixar Acordo de Oslo caso Trump anuncie plano de paz

Entre as lideranças israelenses, Netanyahu e Benny Gantz afirmam que proposta dos EUA é 'histórica'

Ramala e Jerusalém | AFP

Os palestinos ameaçam se retirar do acordo de Oslo, que regula atualmente as relações entre Israel e a Autoridade Palestina, caso o presidente dos EUA, Donald Trump, anuncie seu plano de paz para o Oriente Médio, indicaram autoridades da Cisjordânia para a agência de notícias AFP.

Se o líder republicano apresentar seu projeto, como está previsto que o faça na terça-feira (28), de acordo com diversas fontes, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) "deixará o acordo provisório", como são chamados os resultados concretos das discussões de Oslo, em 1993, afirmou Saeb Erekat, secretário-geral da OLP.

"Este plano tornará a ocupação temporária em permanente", advertiu a autoridade palestina.

Campo de refugiados palestinos Askar, em primeiro plano, e Beit Fureik, ao fundo
Campo de refugiados palestinos Askar, em primeiro plano, e Beit Fureik, ao fundo - Jaafar Ashtiyeh/AFP

O porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abas, foi na mesma direção e disse que "o acordo do século" que Trump pode anunciar "já está morto". 

"Rejeitamos totalmente o que o governo Trump fez até agora... Nossa posição é clara: Israel deve pôr fim à ocupação das terras palestinas em vigor desde 1967", disse Nabil Abu Rudeina.

Os assentamentos em partes da Cisjordânia e em Jerusalém Oriental ganharam força nos últimos anos sob a gestão de Binyamin Netanyahu e seu aliado em Washington, que reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

Nesse contexto, analistas afirmam acreditar que o plano dos EUA poderia alimentar o conflito palestino-israelense em vez de resolvê-lo e levantaram dúvidas se a comunidade internacional apoiará o projeto.

Tanto o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, como seu rival nas eleições legislativas do dia 2 de março, Benny Gantz, disseram que o plano de paz proposto por Trump para o Oriente Médio será "histórico".

Ambos os líderes devem viajar neste domingo (26) a Washington para discutir o projeto com o governo dos EUA. O premiê disse que se encontrará com o presidente americano nesta segunda-feira (27), na primeira de duas reuniões.

"Encontro-me amanhã [em Washington] com meu amigo, o presidente dos EUA, Donald Trump, que apresentará seu plano de paz. Essa oportunidade acontece apenas uma vez na história e não podemos deixar passar", disse Netanyahu neste domingo (26), durante uma reunião de seu conselho de ministros, horas antes de sua partida.

"Há três anos converso com o presidente Trump e sua equipe sobre nossos problemas de segurança. Em todas as conversas, eles me ouviram atentamente na Casa Branca sobre as necessidades existenciais de Israel. Eu vou a Washington com a esperança de que possamos fazer história", acrescentou.

Benny Gantz, chefe da oposição israelense e ex-chefe do Exército israelense, também participará das negociações, para as quais os palestinos dizem não terem sido convidados.

"Tive inúmeras reuniões e discussões sobre o plano de paz ​​com os assessores do presidente, chefes da Casa Branca e meu amigo, o [embaixador americano em Jerusalém] David Friedman. O conteúdo do plano, bem como seus detalhes, permanecerão secretos neste momento", disse Gantz em Tel Aviv, no sábado (25).

"De qualquer forma, já posso informá-los que o plano de paz (​​...) entrará para a história como um marco importante que permitirá que diferentes atores do Oriente Médio avancem, com um acordo regional histórico", afirmou Gantz.

Chefe do partido Azul-Branco, Gantz disse que voltará a Jerusalém na terça-feira para participar das primeiras discussões de um comitê parlamentar que deve decidir sobre a petição de imunidade a Netanyahu, acusado de corrupção em vários casos, uma questão importante para a sobrevivência política do primeiro-ministro.

Os Estados Unidos apresentaram em junho as guias econômicas do plano, que prevê investimentos internacionais nos territórios palestinos e nos países árabes vizinhos em uma prazo de dez anos.

Os detalhes da iniciativa e sua parte política, porém, ainda não são conhecidos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.