Parlamento do Irã declara Forças Armadas dos EUA como 'terroristas'

Decisão ocorre em meio à expectativa de retaliação militar após o assassinato do general Suleimani

Teerã, Kerman e Dubai | AFP e Reuters

O Parlamento do Irã aprovou nesta terça-feira (7) uma lei que designa as Forças Armadas dos Estados Unidos como “terroristas”, sinalizando uma escalada da tensão no Oriente Médio.

A decisão do regime de Teerã ocorre em meio à expectativa de retaliação militar contra alvos dos EUA após o assassinato do general Qassim Suleimani, uma das principais autoridades do país persa, em um bombardeio americano no Iraque na semana passada.

Um grupo de mulheres vestindo roupas pretas segura cartazes mostrando o rosto de general iraniano morto, diante de bandeiras e de um céu azulado
Iranianos participam do funeral do general Qassim Suleimani na cidade de Kerman nesta terça-feira (7) - Mehdi Bolourian/Fars via Reuters

A medida aprovada pelos parlamentares iranianos diz que qualquer ajuda ao Exército americano “será considerada cooperação com um ato terrorista”. O texto é uma emenda a uma lei votada em abril que descreve os EUA como um país “patrocinador do terrorismo”.

O Parlamento também autorizou um aporte de € 200 milhões (aproximadamente R$ 910 milhões) destinado às forças Quds, grupo de elite da Guarda Revolucionária que opera no exterior e que era comandado por Suleimani até a sua morte.

Também nesta terça-feira, o Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã disse avaliar diversos “cenários de vingança” contra os EUA.

“Até agora nós discutimos no conselho 13 cenários de vingança, e que mesmo que haja consenso em torno do cenário mais moderado sua realização poderá ser um pesadelo para os americanos”, declarou o secretário do organismo, Ali Shamkhani, de acordo com a agência de notícias semioficial Fars.

FUNERAL

O corpo do general Suleimani chegou nesta terça a Kerman, sua cidade natal, onde será enterrado. O evento foi acompanhado por uma multidão, repetindo as cenas registradas nos últimos dias em cortejo fúnebre em outras partes do Irã. Houve um tumulto e ao menos 35 pessoas morreram

“Nossa vontade é firme. Dizemos aos nossos inimigos que nos vingaremos e que se [atacarem novamente] incendiaremos aquilo que eles amam”, disse na cerimônia em Kerman o comandante interino da Guarda Revolucionária, Hosein Salami.

Suleimani foi morto na sexta-feira (3), quando seu comboio foi atingido por um míssil disparado por um drone americano próximo ao aeroporto de Bagdá, no Iraque. Arquiteto da estratégia militar iraniana para o Oriente Médio, o general é considerado um herói nacional.

Suleimani liderava havia mais de 20 anos a força Quds, braço de elite da Guarda Revolucionária do Irã responsável pelo serviço de inteligência e por conduzir operações militares secretas no exterior.

Próximo do aiatolá Khamenei, Suleimani era um dos nomes mais cotados para sucedê-lo no comando do país, segundo o jornal The New York Times —o líder supremo iraniano tem 80 anos. 

Para Washington, Suleimani era o idealizador da estratégia de apoiar milícias no Iraque e na Síria contra as tropas americanas. Por isso, o governo dos EUA culpava o general pela morte de até 700 militares do país nos últimos anos.

A ação dos EUA aumentou a tensão no Oriente Médio. O Irã prometeu se vingar e disse que não respeitará mais os limites do acordo internacional pelo qual se comprometia a conter sua capacidade de enriquecimento de urânio. O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou fazer novos ataques caso haja retaliações por parte do país persa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.