Descrição de chapéu Governo Trump

Presidente da Câmara diz que deve enviar na próxima semana impeachment de Trump ao Senado

Processo está parado desde dezembro, quando foi aprovado pelos deputados

Washington e São Paulo | Reuters

O processo de impeachment contra o presidente americano, Donald Trump, deve chegar ao Senado americano na próxima semana, abrindo caminho para que o caso seja finalmente julgado pelo plenário da Casa.  

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (10) pela presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, a democrata Nancy Pelosi.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, caminha em direção a seu escritório no Capitólio nesta sexta (10)
A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, caminha em direção a seu escritório no Capitólio nesta sexta (10) - Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Ela enviou uma carta a seus colegas deputados para avisar que decidiu dar prosseguimento a ação, que está parada desde 18 de dezembro, quando o impeachment do presidente foi aprovado na Câmara graças ao apoio da maioria democrata —os republicanos votaram contra.  

Segundo o texto, a democrata deve marcar para a próxima semana uma votação para que a Câmara indique um grupo de deputados que terá como tarefa apresentar o caso contra o presidente ao Senado —só depois disso o processo deverá ser enviado em definitivo para os senadores.  

Trump é acusado de abuso de poder ao pressionar o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, a investigar Joe Biden, líder nas pesquisas entre os democratas para ser o candidato à Presidência do partido na eleição de 2020.

O presidente também é acusado de obstruir o Congresso ao atrapalhar as investigações depois que o episódio foi descoberto. O republicano nega todas as acusações e afirma que a oposição tenta fazer uma caça às bruxas contra seu governo.  

Pelosi e o líder republicano no Senado, Mitch McConnell, têm travado uma queda de braço sobre o processo nas últimas semanas.

Ela afirmava que só enviaria o texto aos senadores se ele se comprometesse a realizar um julgamento justo e a convocar novas testemunhas para depor. "Uma negativa [do senador] é uma tentativa de abafar o caso que priva a população americana da verdade", escreveu ela no comunicado. 

"Já não era sem tempo", respondeu McConnel ao ser informado sobre a carta. 

Ele se nega a aceitar os pedidos da democrata e defende a realização de um julgamento rápido. Nesta semana, o senador ameaçou inclusive colocar em votação na Casa uma proposta para começar o julgamento do impeachment imediatamente, mesmo que Pelosi não enviasse o caso.

Ao contrário da Câmara, os republicanos são maioria no Senado. Por isso, a expectativa é que as acusações contra o presidente sejam descartadas com folga.

Trump é apenas o terceiro presidente na história americana a ter o impeachment aprovado pelos deputados. Os dois anteriores (Andrew Johnson, em 1868, e Bill Clinton, em 1998) foram absolvidos no Senado. 

Diferentemente do Brasil, onde o afastamento do chefe de governo ocorre imediatamente após o Senado receber a denúncia de impeachment aprovada pela Câmara, o presidente dos EUA só deixa o cargo após o aval do Senado.

O avanço do impeachment, porém, vai além dos trâmites legais. O processo é pano de fundo da eleição presidencial de novembro e tem servido de estratégia aos dois lados de um polarizado tabuleiro político.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.