Recebido como presidente em Davos, Guaidó pede ajuda para reintegrar Venezuela ao mundo

Líder opositor diz que governo Bolsonaro tem oferecido apoio importante e propõe abrir país a investidores

Davos

O líder opositor venezuelano Juan Guaidó se apresentou nesta quinta-feira (23) no palco principal do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, como presidente interino da Venezuela e pediu pela reintegração de seu país ao mundo.

“Hoje, depois de 28 anos, um presidente venezuelano voltou a este espaço”, declarou Guaidó a uma plateia de poucas centenas de pessoas. “Precisamos de ajuda.”

O autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, discursa no Fórum Econômico Mundial, em Davos - Denis Balibouse/Reuters

Guaidó sobe ao palco em Davos exatamente um ano após ter feito juramento como presidente interino —depois disso, foi reconhecido no cargo por mais de 50 países, inclusive o Brasil.

Em seu discurso de 20 minutos, seguido por uma sessão de perguntas com a diretora do Fórum para América Latina, Marisol Argueta, o venezuelano descreveu um país em guerra do qual fugiram 5,5 milhões de pessoas e uma ditadura que abriga criminosos e terroristas. 

Citou nominalmente o grupo radical libanês Hizbullah e a guerrilha colombiana Farc, ambos convertidos em forças políticas em seus países. 

“Estou aqui para que não deixem a Venezuela de fora. É um país que tem problemas, mas tem muito potencial. É um país que tem muito a contribuir.”

O Fórum convidou Guaidó, que está proibido de deixar a Venezuela pelo regime de Nicolás Maduro, na véspera do evento, dia 19, quando ele chegou a Bogotá para se reunir com o presidente colombiano, Iván Duque, e com o secretário de Estados americano, Mike Pompeo. Duque também participa do Fórum em Davos.

Após discursar, o venezuelano se encontrou com Ivanka Trump, filha do presidente dos EUA, Donald Trump.

Além do discurso em plenária, Guaidó participou de um evento fechado mediado pelo Wall Street Journal acompanhado por empresários, jornalistas e acadêmicos —este, sim, lotado. 

Citou o governo do brasileiro Jair Bolsonaro e o do colombiano Duque como interlocutores, assim como países europeus de uma forma geral. “São relações regulares, não para financiar supostas revoluções.” 

Questionado depois pela Folha sobre sua relação com o governo Bolsonaro, afirmou que mantém contatos frequentes e que tem “recebido ótimo apoio”. 

“Temos contatos muito bons com o governo do presidente Jair Bolsonaro, que nos apoia nessa luta pela democracia”, afirmou. “O Brasil tem nos dado grande apoio diplomático.”

Durante o fórum, Guaidó foi questionado sobre a razão de não ter conseguido assumir de fato um ano depois de prestar juramento. Após titubear, respondeu apenas que a situação havia se deteriorado e que Maduro tinha se aferrado ainda mais ao poder, colocando-o como figura proscrita e censurando menções a seu nome na imprensa do país. 

Pediu, em seguida, pressão internacional para que eleições livres se realizem no país, lembrou que a produção petroleira que há duas décadas abastece a economia do país encolheu quase 70% e propôs que, uma vez no poder, promoveria uma abertura econômica para investidores estrangeiros como forma de restaurar uma economia em frangalhos.

Depois que Guaidó deixou Caracas, agentes da Sebin (o temido serviço de segurança venezuelano) teriam invadido seu gabinete e levado preso um de seus aliados, o deputado Ismael León. 

Guaidó teve uma reunião bilateral com o ministro Paulo Guedes (Economia), que se referiu ao venezuelano como "um cara muito bom, muito carismático" - Folhapress

​​Guaidó afirmou em Davos que seu retorno a Caracas será “complicado”, mas pediu que o momento seja usado como oportunidade para pressionar o regime. Mas não detalhou nenhum plano e se limitou a descrever de forma genérica como saiu na surdina do país.

“Tivemos que despistar a segurança de Estado que nos seguia por Caracas —não são muito eficientes. Mas há muitos riscos na Venezuela.” 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.