Descrição de chapéu The New York Times

Recém-casados, crianças e mulher de escritor estavam entre as vítimas de avião que caiu no Irã

Mais de 60 mortos eram canadenses; tragédia gerou comoção no país

Montreal | The New York Times

Havia a família de um importante escritor iraniano que emigrou para o Canadá alguns anos atrás. Havia um casal recém-casado. E havia estudantes internacionais e crianças viajando com suas famílias.

As vítimas da queda de um Boeing 737-800 na manhã de quarta-feira (8) no Irã incluíam passageiros e tripulantes de ao menos sete países, entre eles 63 canadenses. Não está claro o que causou a queda da aeronave.

Mulheres se abraçam durante vigília em Toronto em homenagem às vítimas do acidente com o voo da Ukrainian Airlines, que caiu no Irã
Mulheres se abraçam durante vigília em Toronto em homenagem às vítimas do acidente com o voo da Ukrainian Airlines, que caiu no Irã - Geoff Robins/AFP

O voo 752 da Ukraine International Airlines caiu em meio às tensões entre os Estados Unidos e o Irã. Um ataque dos EUA com drones na semana passada matou o general Qassim Suleimani, um dos principais líderes da Guarda Revolucionária do Irã. Na quarta-feira, o Irã atacou duas bases no Iraque que abrigam tropas americanas.

O avião, que ia para Kiev, na Ucrânia, caiu pouco depois de decolar de Teerã. As 176 pessoas a bordo morreram.

Vadym Prystaiko, ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, disse que as vítimas incluem 82 iranianos e 11 ucranianos —entre estes, nove tripulantes. Sessenta e três passageiros eram do Canadá, dez da Suécia, quatro do Afeganistão, três da Alemanha e três do Reino Unido, disse ele.

Para o Canadá, a queda foi uma das piores perdas de vidas em um desastre de aviação. Em 1985, uma bomba explodiu e matou 329 pessoas a bordo de um voo da Air India, a maioria delas canadenses de ascendência indiana.

O Canadá tem uma das maiores parcelas da diáspora iraniana no mundo: 210 mil pessoas que se identificam como iranianas vivem no país, e muitas delas fugiram de sua terra natal após a Revolução Islâmica de 1979. Outras chegaram mais recentemente, muitas vezes atraídas por oportunidades de educação ou trabalho.

Os imigrantes iranianos no Canadá vivem em grande parte nos subúrbios das três maiores cidades do país —Toronto, Montreal e Vancouver.

Mahsha Alimardani, estudante de doutorado na Universidade de Oxford, escreveu no Twitter que a rota de Teerã para Toronto, passando por Kiev, capital ucraniana, havia se tornado acessível para muitos iraniano-canadenses que não podiam pagar por voos diretos.

Payman Parseyan, imigrante iraniano em Edmonton, disse à Canadian Broadcasting Corp que o desastre foi "devastador" para a comunidade iraniana da cidade, que é muito unida. As pessoas estavam coladas aos aparelhos de televisão e se comunicavam em busca de notícias sobre os entes queridos, disse ele.

Cerca de 30 vítimas eram de Edmonton. Segundo Parseyan, estas incluíam duas meninas, de 9 e 14 anos, além de estudantes internacionais do Irã.

Reza Akbari, presidente da Sociedade do Patrimônio Iraniano de Edmonton, disse ao The Edmonton Journal que entre os mortos estavam médicos e um casal recém-casado, Arash Pourzarabi, 26, e Pouneh Gorji, 25, estudantes de ciência da computação que viajaram para o Irã para o casamento.

"Foi um choque", disse ele ao jornal. "Conheço algumas dessas pessoas pessoalmente. Tive a chance de vê-las em diversas festas e reuniões."

"Posso dizer que praticamente todos os iranianos de Edmonton conheciam alguns deles", disse Akbari. "Por isso é muito devastador."

A queda do avião também tirou a vida da mulher e da filha de um dentista e autor iraniano, Hamed Esmaeilion, um dos principais escritores de sua geração.

Professores de engenharia na Universidade de Alberta, o casal Mojgan Daneshmand e Pedram Mousavi e suas filhas, Daria e Dorina Mousavi, também morreram no incidente. A universidade descreveu Daneshmand como um pesquisador pioneiro em sensores de micro-ondas, que vinha fazendo avanços em uma variedade de produtos, incluindo monitores de saúde vestíveis.

No norte de Vancouver, Arash Azrahimi, proprietário da Rosewood Photography, disse que muitas das vítimas eram suas clientes. Duas delas, Mohammadhossein e Zeynab Asadilari, que tinham 20 anos, eram filhos de um membro do governo iraniano e moravam em Vancouver, segundo ele.

Outras vítimas da região de Vancouver incluem um casal, ambos médicos, e a mulher e a filha de um dono de padaria, relatou ele.

Majid Mahichi, produtor de televisão em Vancouver de um programa em língua farsi, falada no Irã, conhecia o casal de médicos Firouzeh Madini e Naser Pourshabanoshibi há 40 anos. Mahichi contou que eles foram ao Irã visitar seus pais e que tinham uma filha, que não viajou com eles.

O casal se mudou para o Canadá há cerca de cinco anos, disse Mahichi. "Eram um casal muito feliz", disse ele. "Eles estavam tão felizes por terem se mudado para o Canadá."

Ele disse: "Temos alguns amigos que só queriam visitar suas famílias —mas agora, infelizmente, seus corpos estão voltando".

Em uma entrevista coletiva, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse que seu governo garantirá que o acidente seja totalmente investigado. "Os canadenses têm perguntas e merecem respostas", disse ele.

Perguntas e respostas

O que ocorreu?
Um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines caiu cinco minutos após decolar do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerã, na manhã de quarta (8). Todas as 176 pessoas a bordo morreram 

Por que o avião caiu? 
Não está claro. Funcionários dos setores de inteligência dos Estados Unidos e os primeiros-ministros do Canadá e do Reino Unido, Justin Trudeau e Boris Johnson, acusam o Irã, por meio do seu sistema de defesa aérea, de derrubá-lo. O Irã diz que a informação é parte de uma “guerra psicológica” contra o país

Foi proposital? 
Teria sido um acidente, segundo agentes dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido

Quais as evidências já apresentadas? 
Um vídeo divulgado na noite desta quinta (9) pelo New York Times mostra, aparentemente, um míssil atingindo a aeronave sobre Parand, região próxima ao aeroporto de Teerã onde o avião transmitiu sinais pela última vez. Já Trudeau afirmou ter informações “de múltiplas fontes, incluídos nossos aliados e nossos próprios serviços”, que indicam que a aeronave foi atingida por um míssil iraniano

Qual é o tipo do míssil? 
Seria um terra-ar iraniano de origem russa, segundo Canadá e Reino Unido

Quem vai investigar a queda? 
O comitê de investigação de acidentes aéreos no Irã. Mas o porta-voz do governo iraniano, Ali Rabiei, disse em comunicado que os países cujos cidadãos estavam no avião podem enviar representantes e solicita que a Boeing envie representantes para se juntarem à investigação da caixa-preta

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.