'Sou capitão do Exército, ele é pacifista', diz Bolsonaro em memorial de Gandhi

Presidente ressaltou diferenças ao ser questionado sobre o que achava da figura do líder pacifista

Déli

Como a maioria dos chefes de Estado em visita à Índia, o presidente Jair Bolsonaro visitou o memorial de Mahatma Gandhi e depositou flores em homenagem àquele que é considerado um herói pela maioria dos indianos. 

Bolsonaro, no entanto, afirmou ser diferente do líder pacifista, um dos fundadores da Índia moderna. “Eu sou um capitão do Exército, ele é um pacifista”, disse o presidente, questionado sobre o que pensa da figura de Gandhi.

“Mas a gente reconhece o seu passado, sempre pregando a paz, a harmonia e a liberdade.”

Jair Bolsonaro, ao centro, acompanhado de um homem ao lado esquerdo e de uma criança ao lado direito. Todos têm as mãos unidas pelas palmas, em gesto de prece. À frente deles está um memorial fúnebre decorado com pétalas de flores diversas.
Bolsonaro prestou homenagem a Mahatma Gandhi na manhã deste sábado (25), durante visita oficial à Índia - AFP/PIB

Bolsonaro ganhou um busto de Gandhi e disse ter ficado emocionado com a cerimônia de depósito de flores. “É uma cerimônia que toca a alma da gente, o país tem suas tradições, tem sua história, e, assim como Brasil, é um país emergente.

O memorial marca o local onde Gandhi foi cremado, em 31 de janeiro de 1948, um dia após o pacifista ter sido assassinado com três tiros pelo extremista hindu Nathuram Godse.

Godse pertenceu durante 14 anos ao RSS, grupo fundamentalista hindu, embora não estivesse mais filiado quando cometeu o crime. O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, é integrante do RSS desde os 8 anos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.