Descrição de chapéu Governo Trump

Ao participar de marcha antiaborto, Trump entra de cabeça em campanha

Republicano se torna 1º presidente americano a comparecer ao evento conservador em Washington

Washington

Uma das máximas políticas em Washington é que a campanha à reeleição de um presidente dos Estados Unidos começa no dia de sua posse à Casa Branca.

No ano em que o líder do país disputa a reeleição, nem se fala. Todo movimento é eleitoral. 

Nesta sexta-feira (24), Donald Trump, de olho no dia 3 de novembro, tornou-se o primeiro presidente americano a participar da Marcha pela Vida, evento antiaborto realizado em Washington.

Manifestantes de todo o país, muitos deles estudantes secundaristas e do ensino superior, reuniram-se num dia nublado na capital americana para o ato, que acontece anualmente próximo ao aniversário do caso judicial conhecido como Roe vs. Wade.

Cartazes contra o aborto são erguidos por multidão na Marcha da Vida, em Washington - Olivier Douliery - 24.jan.20/AFP

A decisão, de 1973, reconheceu o direito constitucional ao aborto das mulheres e legalizou o procedimento nos EUA.

“Fetos na barriga das mães jamais tiveram um defensor tão forte na Casa Branca”, disse Trump a milhares de pessoas, aproveitando para se gabar das políticas que defende e das indicações de Brett Kavanaugh e Neil Gorsuch à Suprema Corte —ambos são juízes conservadores.

Presidentes anteriores optaram por não participar da marcha, embora Ronald Reagan e George W. Bush tenham discursado remotamente. Trump, por sua vez, marcou presença no evento ao mesmo tempo em que o julgamento de seu impeachment tramita no Senado.

Apesar de não ter mencionado diretamente o processo, o republicano execrou os democratas por suas políticas a favor do aborto. Recebeu em reposta aplausos entusiasmados da multidão que o assistia.

Entre os apoiadores mais fiéis do presidente estão cristãos evangélicos, fortemente contrários ao procedimento. 

A marcha ganhou assim traços de comício eleitoral, com Trump criticando seus oponentes, enquanto a numerosa plateia ecoava “mais quatro anos!”.

Manifestantes se reúnem na Marcha pela Vida, em Washington, onde o presidente Donald Trump discursou para a multidão - Mark Wilson/Getty Images/AFP

Tornar-se o primeiro presidente a comparecer ao evento conservador foi só mais uma das demonstrações de que o modo reeleição está ligado no volume máximo do republicano.

Nos últimos meses, o presidente sacrificou de aliados históricos a novos amigos, lançando mão de movimentos que atropelam protocolos e a diplomacia americana. 

Mal começara o ano, envolveu-se numa quase guerra, ao contrariar os conselhos de autoridades do Pentágono e ordenar o ataque que matou o general iraniano Qassim Suleimani.

O que muitos viram como uma insanidade pode ter sido um aceno ao eleitor republicano mais radical, que admira os rompantes de Trump e vê de maneira positiva seu figurino pouco convencional, de um líder que não se encaixa no grupo considerado globalista, como o dos europeus.

Em outros episódios recentes, que envolveram o presidente da França, Emmanuel Macron, e o brasileiro Jair Bolsonaro, por exemplo, Trump confirmou que sua prioridade não é fazer ou manter amigos, e sim se reeleger em 2020.

Ao discutir com Macron na cúpula da Otan e anunciar que vai taxar o aço e o alumínio que chegam do Brasil e da Argentina —medida revista pelos Estados Unidos depois da pressão brasileira—, o republicano deu novas proporções a características que marcaram seus três primeiros anos de governo: protecionismo, diversionismo, vaidade e intempestividade.

Quando afirmou que Macron foi “muito insultante” ao dizer que a aliança militar liderada pelos EUA se encontra em “morte cerebral” e abandonar a reunião após a divulgação de um vídeo no qual outros líderes zombavam de suas longas entrevistas coletivas, Trump chamuscou mais uma vez sua imagem no exterior, mas reafirmou o perfil transgressor que agrada a seus eleitores. 

A base do republicano é formada majoritariamente por homens brancos e pouco escolarizados, além de parte de uma classe média que se sentia abandonada pelos políticos tradicionais. 

E foram esses interesses eleitorais também os responsáveis pelo petardo de Trump que atingiu Bolsonaro. O brasileiro precisou entender que a boa relação que gosta de dizer que mantém com a Casa Branca será imediatamente interrompida diante das demandas políticas do americano.

A decisão sobre o aço brasileiro nada tinha a ver com a política monetária do governo Bolsonaro, como Trump justificou inicialmente, mas pavimentava um cálculo puramente eleitoral do republicano.

Ele sabia que precisava fazer um aceno aos agricultores americanos que têm sofrido com a guerra comercial entre EUA e China.

A narrativa do presidente tentava mostrar que não era só a disputa com a potência asiática que atrapalha as exportações em estados considerados chave para a disputa do ano que vem.

Por outro lado, o que não o preocupa nesses estados, pelo menos por enquanto, é o avanço do impeachment no Congresso.

Políticos e especialistas afirmam que esse será apenas mais um elemento que contribui para a polarização em que o país está mergulhado, visto que o Senado, de maioria republicana, deve barrar o processo.

Trump não vai abandonar o habitual diversionismo com novos anúncios que tirem a atenção do processo. O objetivo é tentar mostrar que, enquanto os democratas debatem o impeachment, ele governa o país.

No primeiro dia do julgamento no Senado, na terça-feira (21), lá estava ele no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, fazendo outro discurso concentrado em assuntos domésticos.

Dois dos principais pré-candidatos do Partido Democrata, Bernie Sanders e Elizabeth Warren, são senadores e estarão comprometidos no julgamento em vez de se dedicarem à campanha nos estados.

As primeiras eleições primárias da legenda acontecem em 3 de fevereiro, em Iowa, o estado dos agricultores insatisfeitos.

Ao mesmo tempo em que defende sua aptidão para ocupar a Casa Branca, Trump ecoa a boa situação econômica dos EUA em meio à crise global.

O discurso de que o desemprego atingiu o menor patamar dos últimos 50 anos, 3,5%, e que o país cresce 2% ao ano são dois dos seus mantras favoráveis.

Ao ligar o modo eleitoral e esticá-lo até as últimas consequências, Trump vai testar a tese convencional de que bons índices econômicos são suficientes para a reeleição de um presidente norte-americano.

 
 
 

Com Reuters

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.