Apuração parcial indica Buttigieg e Sanders à frente em prévia democrata marcada por caos e atrasos

Falhas técnicas em aplicativo de transmissão teriam provocado demora para anúncio em Iowa

Des Moines (Iowa)

O centrista Pete Buttigieg e o progressista Bernie Sanders saíram à frente nas primárias democratas de Iowa nesta terça-feira (4), após o caótico atraso na divulgação dos resultados que comprometeu a credibilidade das prévias que vão decidir o adversário de Donald Trump à Casa Branca.

Quase 24 horas depois da votação que terminou sem o habitual anúncio do vencedor, o Partido Democrata divulgou o resultado parcial, que ainda pode mudar, visto que 38% dos votos não são conhecidos pelo público. 

O democrata Pete Buttigieg, ex-prefeito de South Bend, em Indiana
O democrata Pete Buttigieg, ex-prefeito de South Bend, em Indiana - Brendan McDermid/Reuters

No pronunciamento desta terça, o presidente da sigla em Iowa, Troy Price, insistiu que a demora para a divulgação dos resultados não fora causada por ataque hacker, mas por "inconsistências no envio dos números" e falhas no aplicativo utilizado para transmitir os dados para a central da legenda. 

Price pediu desculpas e chamou a situação de "inaceitável". Perguntado sobre quando serão conhecidos os votos restantes, ele não respondeu.

Com 62% da apuração concluída, Buttigieg teve 26,9%, seguido de perto por Sanders, com 25,1%. A senadora Elizabeth Warren está com 18,3%, enquanto o ex-vice-presidente Joe Biden marca 15,6%.

Essa porcentagem corresponde ao número de delegados do estado que cada candidato teria na convenção nacional do partido, marcada para julho. Iowa tem 41 delegados em disputa.

O quadro inicial da disputa democrata em Iowa é a alegoria perfeita do tabuleiro que divide os principais candidatos entre moderados e ligados à ala mais à esquerda do partido. 

O bom desempenho de Buttigieg, porém, não deixou de surpreender analistas que, debruçados sobre as últimas pesquisas no estado, apontavam Sanders como favorito e o ex-prefeito somente em terceiro lugar.

As falhas no processo macularam os planos dos primeiros colocados, que esperavam usar o fôlego de uma vitória em Iowa para chegar embalados às próximas primárias, em New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul.

Há pelo menos 20 anos, quem vence em Iowa ganha também a nomeação do partido como candidato à Casa Branca, e o resultado no pequeno estado de 3,1 milhões de habitantes passou a ser simbólico.

Os números preliminares não são positivos para a progressista Elizabeth Warren, que parece estar sendo superada por Sanders e vendo seu poder de ampliação limitado por seu rival direto no campo da esquerda. 

Biden, por sua vez, apesar dos dados que o apontam em um baixíssimo quarto lugar, ainda tem chance de ganhar as prévias de Carolina do Sul, onde é forte junto ao eleitorado negro. A expectativa de sua campanha é que, com esse resultado, o ex-vice-presidente consiga manter sua relevância até a convenção nacional da legenda, marcada para julho.

Será ali a batalha final dos concorrentes democratas. Um deles será sacramentado pelo partido como candidato à presidência contra Trump.

A briga entre eles, porém, tem ultrapassado as fronteiras ideológicas e, nesta segunda, suas declarações conflitantes sobre a demora na divulgação dos resultados em Iowa contribuíram para agravar a desconfiança e o desgaste sobre a disputa, dando inclusive munição ao republicano.

Líder nos levantamentos nacionais, mas prevendo um desempenho pífio em Iowa, Biden emitiu nota, via assessoria, afirmando que as campanhas mereciam explicações sobre o método de contagem de votos utilizado neste ano e pediu para ter acesso aos dados antes da divulgação.

Já Buttigieg comportava-se como vencedor desde o início e fez um discurso de quase 20 minutos na noite de segunda-feira (3), no qual cantava vitória mesmo sem citar dados oficiais.

"Hoje à noite, uma esperança improvável se tornou uma realidade inegável", afirmou o ex-prefeito.

Rivais na corrida pelos votos mais à esquerda dos democratas, Sanders e Warren se comportaram de maneiras distintas. 

Enquanto a campanha da senadora emitiu uma nota para dizer que os candidatos que divulgassem números incompletos "estavam contribuindo para o caos e informação", Sanders —que divide a liderança das pesquisas nacionais com Biden— afirmou que seu pressentimento era de um resultado "muito, muito" bom em Iowa. 

Foi então que seus assessores chegaram a divulgar números parciais, sem bases oficiais, para afirmar que o senador havia vencido a largada democrata.

Analistas avaliam que, se Sanders não vencer —como projetava a maior parte dos levantamentos—, seus apoiadores vão mais uma vez questionar o processo e afirmar que houve manipulação do establishment partidário para favorecer um candidato mais moderado, como Buttigieg.

Isso já aconteceu em 2016, quando Sanders indicou que Hillary Clinton fora beneficiada pelo sistema em Iowa, conhecido como caucus, uma espécie de assembleia de eleitores em que a votação acontece de maneira aberta e por meio de aglomeração.

Foi justamente essa reclamação do senador que fez o estado mudar as regras do processo em 2020, o que dirigentes do partido afirmam ter complicado ainda mais a contagem de votos.

No sistema do caucus, voluntários contabilizam os apoiadores de cada candidato manualmente e, na zona eleitoral acompanhada pela Folha na noite de segunda, os resultados eram anotados a caneta em uma folha de papel, em meio a discussões e movimentações muitas vezes confusas dos eleitores.

O principal temor dos democratas é que, depois da falha sem precedentes, a confiabilidade no processo despenque de vez.

O resultado comprometido —que deve ter implicações nas próximas semanas da disputa eleitoral— começou a se desenhar poucas horas após o fim da votação.

A demora para a publicação dos números não é comum no processo conduzido no estado. Em 2016, por exemplo, 90% dos dados já eram conhecidos após três horas do fim do processo. Desta vez, no mesmo horário, nenhum dado havia sido divulgado oficialmente e as incertezas quanto aos prazos seguiram até a manhã desta terça (4).

Neste ano pela primeira vez não haveria apenas um resultado registrado, mas três: o alinhamento inicial dos participantes do caucus no primeiro turno, o realinhamento dos candidatos com menos de 15% de apoio e, em seguida, os delegados finais conquistados em cada local.

Segundo o jornal The New York Times, não houve falhas no novo aplicativo, mas sim problemas de pessoas que não conseguiam fazer o login ou mesmo o download da ferramenta. 

Sem treinamento específico e com dificuldades técnicas, esses voluntários decidiram repassar os números da votação por telefone, como sempre fora feito, mas a central do partido não atendia às ligações nesta segunda.

O condado de Polk, por exemplo, o mais populoso de Iowa e onde a reportagem acompanhou a votação do caucus, foi um dos que decidiram tocar o processo à moda antiga —e não teve sucesso.

O bate cabeça democrata beneficiou Trump. O presidente aproveitou para surfar no desgaste de seus adversários e, desde a madrugada de terça, tem publicado mensagens questionando a credibilidade do caucus.

Nesta terça, ironizou o "desastre absoluto" das prévias. "Nada funciona, assim como quando eles governaram o país [...] A única pessoa que pode reivindicar uma grande vitória em Iowa nesta noite é Trump", escreveu.

O presidente é candidato à reeleição e, nesta segunda, venceu com facilidade no estado os dois concorrentes que disputavam contra eles as prévias do Partido Republicano. O resultado era previsível.

Em 2016, Trump ganhou de Hillary em Iowa, região com maioria da população branca (85,3%) e grande parte de sua economia baseada em atividades rurais, nicho forte do eleitorado do republicano.


Perguntas e respostas sobre a confusão

Como os resultados do caucus são computados?
Os presidentes dos distritos sempre informaram por telefone os resultados do caucus. Neste ano, no entanto, o Partido Democrata implantou um novo sistema, com um aplicativo de celular.

Qual foi a falha?
O novo aplicativo não funcionou. Os presidentes de distritos não receberam treinamento específico e não conseguiram fazer login na ferramenta. Muitos não conseguiram nem fazer o download do programa.

Como eles tentaram resolver?
Muitos delegados tentaram voltar ao sistema pelo telefone, mas as linhas telefônicas ficaram rapidamente congestionadas, e a maioria não conseguiu entrar em contato com os líderes do partido na hora de informar seus resultados.

O que eles precisavam informar?
Pela primeira vez, não era apenas um resultado, mas três: o alinhamento inicial dos participantes do caucus, o realinhamento dos candidatos com menos de 15% de apoio e, em seguida, os delegados finais conquistados em cada local.

Por que o partido não divulgou resultados parciais?
Não se sabe. Havia distritos que apresentaram seus resultados com sucesso por telefone ou pelo aplicativo. Mas os responsáveis informaram que estavam realizando ações de "controle de qualidade".

Quem é o responsável pelo aplicativo?
Uma empresa chamada Shadow Inc., que também recebeu dinheiro das campanhas de Buttigieg e Biden por trabalhos de envio de mensagens e comunicação digital.

Houve um ataque hacker?
Não. Essa possibilidade foi rechaçada rapidamente pelo Partido Democrata.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.