Turquia reage a ataque aéreo na Síria e eleva tensão com a Rússia

Bombardeio atribuído aos sírios mata ao menos 33 turcos em Idlib; Putin se recusa a encontrar Erdogan

São Paulo

Um ataque aéreo matou pelo menos 33 soldados da Turquia no noroeste da Síria. Ancara determinou retaliação contra "todos os alvos do regime de Damasco", o que aumenta o risco de escalada do conflito em torno da região rebelde de Idlib.

Além de os combates colocarem dois Estados em oposição, Turquia e Síria, eles arriscam envolver diretamente Moscou e Ancara. A Turquia é uma nação integrante da Otan, a aliança militar ocidental.

A Rússia apoia a ofensiva da ditadura de Bashar al-Assad, que pretende encerrar a guerra civil no país, iniciada em 2011.

Desde dezembro, Damasco recapturou diversas áreas em torno da capital da província, também chamada Idlib, enquanto Ancara enviou 5.000 homens com armamento pesado para dar suporte aos rebeldes.

O ataque aconteceu no fim da noite desta quinta (27). O Observatório Sírio para Direitos Humanos, principal ONG humanitária em solo na guerra civil, afirmou que foram 36 os mortos, não 33, como contabilizado pelo governador da província turca de Hatay. 

As informações iniciais são de que o ataque partiu da aviação síria, o que parece difícil dado o estado dela após anos de conflito e pelo fato de que a Rússia é quem domina os ares na região. Se o ataque fosse confirmado como russo, as consequências diplomáticas seriam imprevisíveis.

A imprensa turca reportou que o presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, convocou uma reunião de emergência para discutir o tema. Mais cedo, ele havia exortado os russos a pressionar os sírios a parar a ofensiva em torno do bolsão rebelde.

O Departamento de Estado dos EUA afirmou em um comunicado que está ao lado de "nosso aliado da Otan, a Turquia, e pedimos um fim imediato para essa ofensiva abominável feita pelo regime de Assad, pela Rússia e por forças apoiadas pelo Irã". 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, repetiu seu pedido por um cessar-fogo imediato e expressou "séria preocupação" com o episódio, segundo um porta-voz.


Entenda o conflito

Quem está envolvido atualmente? 
O ditador Bashar al-Assad, apoiado por Rússia e Irã, combate os sírios que se insurgiram em 2011.

A Turquia apoia esses rebeldes e quer conquistar a parte norte do território, para onde enviaria cerca de um milhão de refugiados que recebeu, além de enfraquecer a reivindicação curda por um Estado independente. 

A minoria curda tenta manter o controle de partes do território conquistadas durante o combate ao Estado Islâmico.

Quais as consequências do ataque desta quinta (27)? 
A Turquia faz parte da Otan, cujo tratado prevê que caso um membro seja atacado, os demais saiam em sua defesa


O ataque ocorreu num posto turco em Al Bara, ao sul da cidade de Idlib. Há 12 dessas fortificações na região.

A crise devido à etapa final da guerra civil na Síria já havia crescido ao longo do dia. Rebeldes apoiados por Ancara recapturaram uma importante cidade no noroeste do país.

Fumaça sobe após ataque de forças sírias contra Saraqeb, cidade retomada por rebeldes
Fumaça sobe após ataque de forças sírias contra Saraqeb, cidade retomada por rebeldes - Aref Tammawi/AFP

As forças apoiadas pelo Exército turco, constituídas pelos defensores do último grande bastião contrário ao governo de Damasco no país, a província de Idlib, entraram em Saraqeb.

A cidade havia sido retomada pelo governo sírio no começo do mês, com apoio da Força Aérea da Rússia. Ela é vista como a antessala estratégica para a captura da capital homônima da província.

No processo, ao menos três soldados turcos foram mortos, segundo Erdogan anunciou em discurso.

Naquele momento, eram 21 mortes desde que a Turquia começou a enviar reforços para Idlib no começo do mês, para tentar conter a ofensiva do regime de Damasco. O número após o ataque noturno dobra, pelo menos.

A operação síria, com apoio russo, havia começado em dezembro e tem sido vista como a etapa final da guerra civil que destroça o país desde 2011 e já fez de 360 mil a 580 mil mortos, a depender da estimativa.

A perda de Saraqeb foi compensada, para Damasco, pelo anúncio de que outras 20 cidadezinhas ou vilas de Idlib foram reocupadas pelo regime nesta mesma quinta.

Esse ímpeto parece ter influenciado o desenvolvimento diplomático do dia: a recusa de Putin em encontrar Erdogan, a convite do turco, no dia 5 de março. Segundo o Kremlin anunciou, o russo estará numa “agenda de trabalho” e não terá tempo para a reunião.

A esnobada parece embutir o cálculo de que o bolsão rebelde/turco está crescentemente sob cerco. Isso faz aumentar o temor de um embate direto entre a Rússia e a Turquia pela divergência de interesses na Síria.

Para tentar evitar isso, uma delegação de Moscou está em Ancara para novas rodadas de negociações.

Desde 2018 os dois países tratam Idlib como uma zona de distensão militar, mas no fim de 2019 Ancara a invadiu para tentar formar um encrave destinado a receber alguns dos 3,3 milhões de refugiados sírios que abriga no seu território.

A ação foi paralela a uma invasão combinada com Moscou que estabeleceu uma faixa separando os curdos da Síria daqueles do sul da Turquia, que são separatistas, e azedou as cada vez mais próximas relações entre Putin e Erdogan.

Mesmo na quarta houve outros sinais preocupantes sobre o risco de um conflito russo-turco. Uma TV estatal russa, a Rossia 24, acusou militares turcos de dispararem mísseis portáteis contra a aviação russa sobre Idlib —uma escalada bastante grave, se confirmada.

Os russos consideram o apoio militar turco a rebeldes ilegal, apesar dos diversos acordos tácitos entre Moscou e Ancara. A mesma crítica é feita contra a residual presença americana na região, que lá estava para combater um dos beligerantes do conflito, o Estado Islâmico.

Para o Kremlin, sua presença com direito a uma base aérea e um porto na Síria é legal, já que o governo de Assad os convidou —a intervenção, com apoio terrestre de Irã e do Hizbullah libanês, salvou a ditadura da derrota.

Enquanto as batalhas se desenrolam, cresce o drama humano. A ONU já contabiliza quase 1 milhão de deslocados internos, além de 400 civis mortos, desde o começo da ofensiva síria em dezembro.

Os relatos de crianças congelando devido ao frio intenso em campos improvisados são constantes.

Um oficial de Ancara afirmou à agência Reuters que o país passará a deixar refugiados, incluindo sírios, cruzar suas fronteiras em direção à Europa.

Caso seja implementada, a medida violaria um acordo firmado com a União Europeia em 2016 e poderia levar ao rápido envolvimento das potências ocidentais no impasse entre Rússia e Turquia.

Antecipando a chegada iminente de refugiados de Idlib, a polícia turca, a guarda costeira e as autoridades de segurança das fronteiras foram ordenadas a se retirar das travessias terrestres e marítimas usadas pelos refugiados, disse o oficial.

A Turquia abriga cerca de 3,7 milhões de refugiados sírios e seu governo afirmou em diversas ocasiões que não pode lidar com mais, ameaçando abrir suas fronteiras.

Sob o acerto de 2016, a União Europeia forneceu bilhões de euros em assistência em troca de Ancara conter o afluxo de migrantes para a Europa.

Erramos: o texto foi alterado

Uma versão anterior desta reportagem informou incorretamente que a Turquia tinha acusado a Rússia pelos ataques. Na verdade, o bombardeio foi atribuído inicialmente à Síria. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.