Há 75 anos, soldados brasileiros derrotaram nazistas na batalha de Monte Castello

Museu em Porto Alegre preserva memória com exposição de poemas e músicas de pracinhas

Porto Alegre

Dominado pelas tropas nazistas e coberto de neve durante um inverno que chegou a -15 ºC, um morro de 977 metros de altura dificultava o avanço dos soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB), que combatiam o exército de Adolf Hitler.

A cerca de 60 km de Bolonha, na Itália, o Monte Castello precisava ser tomado pelos pracinhas brasileiros para que os Aliados pudessem avançar para o norte da Itália. Foram quatro tentativas frustradas entre novembro e dezembro de 1944.

Instalados no morro, os alemães atiravam contra os brasileiros com suas metralhadoras MG42, com capacidade de 1.200 tiros por minuto. Os pracinhas, bem-humorados, apelidaram esse armamento dos inimigos de “Lurdinha”.

Os meses seguintes foram de estratégia. “A espera fez com que a FEB se aperfeiçoasse. Nunca tinham treinado em montanhas, a doutrina de guerra era diferente, fazia muito frio. Se não tomassem Castello, os Aliados não teriam condições de seguir para Bolonha”, explica Ianko Bett, encarregado do setor de pesquisa do Museu Militar do Comando Militar do Sul (CMS), em Porto Alegre, e doutor em história pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

A proximidade da primavera fez com que a neve começasse a derreter, facilitando a subida dos soldados. Há 75 anos, às 5h30 de 21 de fevereiro de 1945, os brasileiros atacaram Monte Castello. Após mais de 12 horas de batalha, o local havia sido dominado pela FEB. Nos dias seguintes, os alemães ainda tentariam retomar Monte Castello, mas foram novamente derrotados.

Vestígios dessa história estão guardados em um espaço dedicado à memória da FEB no Museu Militar do CMS. No local, uma exposição lembra os poemas e músicas compostas pelos pracinhas durante a Segunda Guerra. Parte dos áudios foi gravada pelo correspondente de Guerra da BBC, Francis Hallawell, filho de ingleses, mas nascido em Porto Alegre. “Esse material permite entender a Guerra a partir das impressões dos combatentes”, explica Bett.

A batalha do Monte Castello também inspirou composições. “Achei que não devia ficar oculto o que sentia”, disse o soldado Rondon Alves Gutenberg a Hallawell, em 1945. Poucos dias após a vitória contra os alemães, Gutenberg contou ter composto letra e música de “Parabéns”.

O samba diz: “Força Expedicionária Brasileira, eu lhe dou meus parabéns / Teus soldados pertencem à terra alvissareira / Aquele Brasil que só faz o bem / Os feitos do teu soldado têm mostrado / O valor de um combatente audaz / Porque ferir e matar não é pecado / A quem reprime a guerra e adora a paz / Na grande vitória do Monte Castello / Cada soldado seu dever cumpriu / Forjou o Regimento Sampaio mais um elo / Na FEB para a história do Brasil”.

Porém, nem tudo foi alegria após a batalha de Monte Castello, relembra o veterano Elmo Diniz, 98. Rodeado por certificados e homenagens emolduradas nas paredes da sala, ele conta que pouco depois após a tomada, foi até o local.

“Foi um dos momentos mais marcantes que vivi. Fomos para Abetaia, de onde se vê o Monte Castello.  Encontramos os corpos dos nossos soldados que morreram na tentativa de ataque anterior. Os alemães deixaram que se aproximassem e depois metralharam. Estavam petrificados pelo gelo. Anéis e relógios foram levados”, conta Diniz.

“Quando a gente vai para um troço desses, muda tudo na nossa cabeça. A gente não sabe nem se vai voltar. É complicado”, conta o veterano. Nascido em Cruz Alta e filho de pai tropeiro, o capitão da reserva lembra que quando foi promovido a sargento, seu pai levou o chapéu até o peito e disse: “Não tenho nada para te dar, mas te dei um nome”. As recordações serviam de consolo com a distância.

Diniz foi homenageado nesta semana com uma exposição fotográfica na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Ele vestiu o uniforme da FEB, com o pesado capacete original, e posou para fotos. A iniciativa é do deputado tenente-coronel Zucco (PSL), que atuou no CMS.

O veterano mostra as placas de identificação que precisava usar em volta do pescoço, durante a Guerra. “Tínhamos duas, porque se morrêssemos, uma era colocada na boca para identificar o morto”, afirma, enquanto indica a posição da placa entre os lábios.

As insígnias que levava no uniforme foram arrancadas quando desembarcou no Rio de Janeiro. "As pessoas estavam felizes, queriam levar de souvenir, arrancaram e fiquei sem”, conta.

Os registros fotográficos específicos de Monte CasteLlo não são tão comuns, segundo Helton Costa, pesquisador com pós-doutorado em história pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

“A censura, principalmente a brasileira, barrava a presença de jornalistas correspondentes junto às tropas. A maioria das fotografias foi tirada na retaguarda ou depois dos combate”, justifica Costa, autor de “Crônicas de Sangue: Jornalistas Brasileiros na II Guerra Mundial” (Motres, 2019). Ele mantém uma página no Facebook, “V de Vitória”, onde divulga imagens da FEB encontradas em arquivos.

Além de Monte Castello, outro momento importante para a FEB foi a rendição, de uma única vez, de quase 20 mil soldados de Hitler e Mussolini, a maioria da 148ª Divisão de Infantaria do Führer, entre 29 e 30 de abril, pouco antes do final da guerra. Esta foi uma das únicas rendições dessa amplitude durante os anos de conflito.

“Imagine o comandante alemão tendo que entregar suas armas”, diz o veterano Diniz.

Elmo Diniz, 98, veterano da Força Expedicionária Brasileira (FEB), que participou da Segunda Guerra Mundial contra os nazistas - Fabio Pilger/Divulgação
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.