Contra K-pop e 'Parasita', Japão quer fortalecer imagem cultural no exterior

Tóquio investe US$ 400 mi em agência para incentivar exportação de produtos culturais do país

Tóquio

Se a Coreia do Sul faz sucesso com K-pop, “Parasita” e gastronomia, o Japão se prepara para contra-atacar com animes, mangás, chefs e chá verde.

Em meio a um aumento da rivalidade com Seul, Tóquio amplia esforços para tornar a produção cultural japonesa em arma para fortalecer a imagem do país no exterior.

E, para isso, espelha-se no modelo do vizinho. “Começamos a partir da constatação que o K-pop fazia mais sucesso que o J-pop”, diz Yukio Yoshihiro, em referência aos nomes pelos quais é conhecida a música pop de Coreia do Sul e Japão, respectivamente.

 

​Yoshihiro é diretor da Cool Japan, iniciativa do governo para incentivar a exportação de produtos típicos e que, no ano passado, teve verba de US$ 400 milhões (R$ 1,7 bi).

Uma variedade de itens está sob o guarda-chuva do órgão: vai dos animes (desenhos animados) ao teatro kabuki, passando por culinária, xintoísmo e produção de bonsai.

Ainda que a Cool Japan tenha sido criada em 2011, foi só há dois anos que o governo começou a debater uma mudança de rumo no projeto, o que se consolidou no fim de 2019, com a publicação de um documento que estabeleceu o fortalecimento da imagem do país como prioridade.

“Queremos ganhar corações e mentes com soft power”, afirma Yoshihiro, mencionando o conceito que define a capacidade de um Estado influenciar outro sem o uso da força.

Em um escritório cheio de pôsteres de personagens clássicos japoneses —como Goku, da série “Dragon Ball”—, ele e sua equipe trabalham para convencer a indústria cultural japonesa a abraçar a ideia.

O problema, diz ele, é que boa parte do setor não está muito interessado em investir em outros mercados. Para o cientista político Thiago Mattos, especializado em relações internacionais da Ásia, esse é o maior entrave para o Japão.

O que não deixa de ser curioso, afirma ele, é que há duas décadas Seul foi buscar em Tóquio um modelo para seu projeto. No fim dos anos 1990, a Coreia do Sul passava por uma crise econômica e passou a investir na exportação de seus produtos culturais.

A ideia era repetir o sucesso econômico que o Japão teve com animes, mangás (HQs) e videogames, mas em outros setores. Assim, dinheiro do governo coreano passou a incentivar a produção de novelas, discos e filmes, que passaram a ganhar espaço no mundo.

Para Mattos, o projeto sul-coreano engrenou rapidamente porque a indústria cultural do país sempre teve uma forte influência estrangeira, principalmente americana.

Em meados dos anos 2000, Seul percebeu que a tática também poderia trazer benefícios diplomáticos. Por isso, a Hallyu foi consolidada como política de Estado, e os incentivos se intensificaram.

O auge da estratégia aconteceu no domingo (9), quando o sul-coreano “Parasita” ganhou o Oscar de melhor filme.

A disputa entre os países também se reflete no Brasil. Se a geração nascida nos anos 1980 ou no início dos 1990 cresceu assistindo a seriados japoneses, a atual faz fila para ver a banda sul-coreana BTS.

A inauguração, em 2017, do Japan House, em São Paulo, entra nesse contexto. A instituição, mantida pelo governo japonês, tem como objetivo promover a cultura do país no exterior.

Em mais um sinal da rivalidade, o prédio fica quase ao lado do Centro Cultural Coreano, bancado por Seul com o mesmo objetivo  —ele ficava em outro ponto da cidade, mas foi transferido após a inauguração da Japan House.

​O histórico de conflitos entre Japão e Coreia do Sul está na raiz dos atuais desentendimentos entre eles. Seul reclama do tratamento dado por Tóquio durante o período entre 1910 e o fim da Segunda Guerra, quando o país ficou sob domínio do vizinho.

Sobram denúncias de tortura, trabalhos forçados e estupros cometidos pelas tropas japonesas contra a população coreana.

Tóquio, porém, nega que tenham acontecido estupros e afirma que os outros assuntos já foram resolvidos com a assinatura de tratados e com indenizações.

Para Yoshiko Kojo, professora de relações internacionais e cultura da Universidade de Tóquio, fortalecer a área cultural é um modo de ganhar apoio para suas posições. “A percepção que as pessoas têm de um país acaba afetando a relação entre os Estados.”


Setores disputados por Seul e Tóquio ​

Música 
O K-pop se tornou o lado mais visível da força cultural sul-coreana, e o Japão quer que o mesmo aconteça com  o J-pop, que deve ser uma das estrelas da abertura da Olimpíada de Tóquio.

Cinema 
Durante décadas, o Japão reinou sozinho como principal representante asiático, mas vem perdendo espaço. Em 2019, o japonês ‘Assunto de Família’ perdeu a estatueta de melhor filme estrangeiro, enquanto ‘Parasita’ saiu como o grande vencedor de 2020.

Comida 
A culinária japonesa segue sendo símbolo de sofisticação —Tóquio é a cidade que mais tem restaurantes com estrelas Michelin—, mas a Coreia do Sul vem diminuindo a diferença, baseando-se principalmente na grande colônia que possui espalhada pelo mundo.

Games 
Outra área que era dominada pelo Japão, mas na qual o rival tem crescido. A Coreia do Sul tem apostado principalmente em jogos de celular e nos eventos de esport.

O jornalista viajou a convite do Ministério de Relações Exteriores do Japão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.