Justiça boliviana barra candidatura de Evo ao Senado

Ex-presidente renunciou após ser acusado de fraudar eleições para garantir 4º mandato

La Paz | AFP

A Justiça eleitoral da Bolívia negou nesta quinta-feira (20) o registro de candidatura do ex-presidente Evo Morales, que planejava disputar uma vaga no Senado.

O Supremo Tribunal Eleitoral considerou que Evo não comprovou que reside de forma permanente no distrito do território boliviano que pretendia representar na Casa. 

O ex-presidente Evo Morales discursa em Buenos Aires
O ex-presidente Evo Morales discursa em Buenos Aires - Mariana Greif - 22.jan.2020/Reuters

O líder indígena deixou o país em novembro, após renunciar sob acusação de fraude nas eleições em que concorria a um quarto mandato. Ele inicialmente viajou ao México e agora está refugiado na Argentina. 

"A decisão do Supremo Tribunal Eleitoral é um golpe contra a democracia. Os membros do tribunal sabem que eu cumpro todos os requisitos para ser candidato. O objetivo final é banir o MAS", escreveu ele numa rede social, citando o partido ao qual pertence, o Movimento ao Socialismo. 

A candidatura de Luis Arce, apontado por Evo como seu sucessor para disputar a Presidência, foi aprovada pela Corte.

Em entrevista à Folha na terça (18), Arce afirmou que desconfia se o processo eleitoral boliviano, marcado para o dia 3 de maio, será completamente justo.

"Só nos resta confiar em vocês, nos meios de comunicação internacionais, e nos organismos e observadores estrangeiros", disse.

O último pleito, em 20 de outubro, foi marcado por confusão na apuração e denúncias de fraude.

Uma comissão independente da OEA (Organização dos Estados Americanos) concluiu que houve “ações deliberadas para manipular os resultados", incluindo alteração e queima de atas de votação e falsificação de assinaturas.

Os resultados questionados davam vitória para Evo no primeiro turno. 

À época, milhares de manifestantes tomaram as ruas do país, tanto em apoio quanto contrário ao líder indígena. A repressão violenta das forças de segurança deixou dezenas de mortos.

Na quinta (19), a procuradoria boliviana abriu um processo criminal contra o ex-presidente e alguns de seus colaboradores mais próximos por fraude.

O ex-presidente Carlos Mesa, que disputou as eleições contra Evo em outubro, pediu na semana passada que a procuradoria ampliasse as investigações já abertas sobre suspeitas de crimes eleitorais cometidos pelo ex-presidente, seu ex-vice-presidente, Álvaro García Linera, e os ex-ministros Juan Ramón Quintana (Presidência), Héctor Arce (Justiça) e Carlos Romero (Governo). 

Os crimes denunciados por ele são uso de documento falsificado e alteração e obstrução dos processos eleitorais, bem como a ocultação de resultados.

A Justiça também investiga Evo pelos delitos de sedição e terrorismo.


ELEIÇÕES NA BOLÍVIA

20.out: eleições gerais, denunciadas como fraudulentas pela OEA, dão vitória a Evo Morales
10.nov: pressionado pelo Exército, Evo Morales renuncia
12.nov: após renúncia em massa de membros do governo, senadora Jeanine Añez se declara presidente interina; Evo chega ao México, que lhe concede asilo
12.dez: Evo viaja à Argentina, onde passa a viver como refugiado
3.jan: Justiça Eleitoral da Bolívia marca novas eleições para 3 de maio
24.jan: Añez anuncia que disputará a Presidência

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.