Descrição de chapéu Deutsche Welle

Luxemburgo se torna 1° país do mundo a oferecer transporte público gratuito

Medida pretende combater congestionamentos e beneficiar famílias de baixa renda

DW

O ministro dos Transportes de Luxemburgo, François Bausch, celebrou neste sábado (29) o que classificou como um "grande dia" para o Grão-Ducado, que se tornou oficialmente o primeiro país do mundo a implementar a gratuidade do transporte público em todo o seu território nacional.

Antes da iniciativa luxemburguesa, apenas algumas cidades da Europa tinham executado um plano semelhante.

Passageiros desembarcam de bonde em Luxemburgo - Jean-Christophe Verhaegen/AFP

O país pequeno, porém rico, introduziu a medida como parte de um esforço para motivar seus pouco mais de 600 mil habitantes (equivalente à população de Cuiabá) e os 214 mil passageiros estrangeiros que usam a rede diariamente a mudarem seu comportamento na região montanhosa entre Alemanha, Bélgica e França.

As viagens de ônibus, trens e bondes já eram gratuitas aos sábados, mas todas as tarifas foram abolidas ao final desta semana. 

Antes da abolição, as vendas preexistentes de bilhetes de 2 euros (cerca de R$ 10) geravam 41 milhões de euros (cerca de 200 milhões de reais) —ou 8% do orçamento anual de transportes de Luxemburgo, que supera 500 milhões de euros.

O transporte público agora será financiado em grande parte por meio de impostos que compõem o Orçamento nacional. Isso deve significar uma economia de viagens para famílias de baixa renda, disse o ministério de Bausch.

O esquema se aplica a residentes, viajantes internacionais e turistas. A decisão deve representar cerca de 100 euros (R$ 493) de economia anual por lar.

"Você não precisará mais de uma passagem para embarcar em nenhum ônibus, trem ou bonde nacional", proclamou o consórcio de transporte público de Luxemburgo neste sábado.

No entanto, a empresa alertou os luxemburgueses: "O transporte público gratuito termina na fronteira; portanto, você deve obter um bilhete ou passagem além das fronteiras se planeja viajar para fora do território do Grão-Ducado".

Também será necessário comprar bilhetes para viagens de primeira classe em trens.

As máquinas de bilhetes serão retiradas gradualmente. Contudo, os pontos de venda de bilhetes internacionais —que levarão em conta a gratuidade no Grão-Ducado— e de primeira classe vão permanecer nas estações.

Para combater os congestionamentos, Luxemburgo abriu em 2017 o primeiro trecho de um serviço de bonde desde a periferia sul da capital até o aeroporto ao norte.

Agora, o país está focado em antecipar a demanda de viagens, dobrar as vagas de estacionamento Park + Ride, especialmente nas fronteiras, e estabelecer ciclovias coesas em sua paisagem de 2.586 km². Como comparação, o município de São Paulo tem 1.521 km².

Uma pesquisa realizada em 2018 pela TNS Ilres constatou que os carros em Luxemburgo representavam 47% das viagens de negócios e 71% do transporte de lazer.

De acordo com o Índice de Tráfego Global da empresa de análise de dados INRIX, os motoristas da capital luxemburguesa passaram em média 28 horas presos no trânsito em 2017.

Cidade de 200 mil habitantes na França adota passe livre

Luxemburgo, por área um dos menores estados soberanos da Europa, abriga edifícios da União Europeia, incluindo o Tribunal de Justiça Europeu e conta com passageiros que viajam diariamente da França, Bélgica e Alemanha.

O ducado de 614 mil pessoas, com salários comparativamente altos em comparação ao resto da Europa, está enfrentando um forte crescimento da população.

Quase metade dos habitantes é estrangeira, incluindo cidadãos portugueses residentes, que representam 18%, e franceses, com 13%.

Bausch, um ex-funcionário ferroviário de Luxemburgo e membro do Partido Verde, também é vice-primeiro ministro do Luxemburgo em um governo de coalizão liberal-social-democrata-verde de três partidos, renovado em 2018 e chefiado pelo primeiro-ministro Xavier Bettel.

O acesso gratuito é apoiado pelo sindicato dos transportes (5.000 membros) Fncttfel-Landesverband.

"Os tempos de viagem devem ser competitivos com o carro", ressalva, contudo, o secretário geral, Georges Melchers. 

Já o Movimento Ecológico diz que não faz questão na gratuitidade do transporte público.

"Para nós, a qualidade da oferta é o ponto crucial para tornar o transporte público mais atraente, e não o fato de ser gratuito. Nos horários de pico, as capacidades esgotam-se", salienta o presidente da associação ambiental, Blanche Weber.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.