Pressionados por envelhecimento, japoneses querem mudar fama de país fechado

Tóquio planeja usar Olimpíada para se mostrar tolerante e aberta a estrangeiros

Tóquio

Pressionado pelo envelhecimento de sua população, o Japão quer mudar sua fama de país fechado.

Para isso, pretende usar a Olimpíada de Tóquio para se mostrar ao mundo como uma nação diversa, tolerante e aberta para estrangeiros, segundo pesquisadores, analistas e o próprio governo. Mas isso será feito de uma maneira gradual, sem grandes alterações na legislação.

Mesmo assim, é uma mudança e tanto para um país que, até meados do século 19, praticamente não permitia a entrada de estrangeiros e que até hoje possui leis de imigração e cidadania bastante restritivas se comparadas a outros países democráticos e desenvolvidos.

Chitetsu Watanabe, 112, posa ao lado de caligrafia japonesa em que se lê "Número 1 do Mundo" depois de receber o prêmio de homem mais velho do mundo
Chitetsu Watanabe, 112, posa ao lado de caligrafia japonesa em que se lê "Número 1 do Mundo" depois de receber o prêmio de homem mais velho do mundo - 12.fev.2020/JijiPress/AFP

Filhos de estrangeiros nascidos no Japão, por exemplo, não têm direito a cidadania local, mesmo se tiverem ascendência japonesa.

Com isso, apenas 1,9% da população do país é de imigrantes, segundo dados da ONU. É menos, por exemplo, que Estados Unidos (14,3%), Alemanha (14,9%) e até mesmo do que a vizinha Coreia do Sul (2,9%), mas mais que Brasil (0,9%) e China (0,1%).

Isso acontece, em parte, porque imigração ainda é um tema delicado no país. Oficiais dos ministérios de Relações Exteriores e de Economia que conversaram com a Folha pediram que seus nomes não fossem divulgados, mas todos confirmaram que o assunto é a prioridade do governo, apesar do discurso por ora nacionalista do premiê Shinzo Abe.

“O governo tem um certo problema em falar sobre imigração por uma questão política. O porta-voz do gabinete segue falando que os trabalhadores estrangeiros não devem ser chamados de imigrantes, o que é um problema”, afirma Toru Suzuki, vice-diretor do Instituto de População e Proteção Social do Japão.

Tradicionalmente, o Japão sempre privilegiou a atração de imigrantes que tivessem ascendência japonesa —caso da comunidade brasileira no país. Em geral, são pessoas sem ensino superior, que vão trabalhar na indústria ou no setor de serviços em atividades que não necessitam de formação técnica ou grande conhecimento do idioma local.

Uma mudança na legislação aprovada no final de 2018 afrouxou um pouco essas restrições, mas o foco continuou sendo em trabalhadores com pouca formação —os principais beneficiados foram imigrantes do Sudeste Asiático, como Filipinas e Vietnã.

A questão, para Suzuki, é que esse modelo não resolveu o problema crônico do país: a diminuição de sua população em idade economicamente ativa.

Desde o início dos anos 2010, o Japão tem visto a população diminuir e, até o final do século, a previsão é que ela caia para 75 milhões de pessoas, quase 50 milhões a menos do que hoje. A taxa de fecundidade é de 1,4 filho por mulher, abaixo do 2,1 necessário para manter a reposição da população.

Por isso, diz Suzuki, o Japão precisa atrair mais imigrantes.

A ideia é, aos poucos, trocar esse modelo, motivar a vinda de pessoas com formação superior, capazes empreender, em um modelo que se aproxima do canadense —país que se tornou exemplo de integração de estrangeiros.

Isso porque além de pressionar o sistema da previdência, o envelhecimento populacional ameaça a inovação no país. Segundo Hitoshi Tanaka, ex-assessor do governo e atual presidente do think tank Institute for International Strategy, esse é o maior desafio da gestão atual.

Foi exatamente a capacidade do país de transformar invenções e avanços tecnológicos em novos negócios que fez o Japão deixar para trás os escombros da Segunda Guerra para se tornar a segunda maior economia do planeta no fim do século 20, atrás só dos EUA —atualmente, é o terceiro, ultrapassado pela rival China.

“O Japão sempre foi conhecido por sua inovação tecnológica, mas no futuro isso vai parar, porque não vai haver demanda interna para incentivar isso”, diz Suzuki.

A ideia do governo é que a Olimpíada de Tóquio, entre julho e agosto, sirva para apresentar ao mundo uma nova imagem do país, ainda que não existam projetos para mudar as leis de imigração.

“Mostrar nossa capacidade de integração, principalmente entre os jovens, e de aceitar a diversidade será o maior legado [dos Jogos Olímpicos]”, afirma Michino Makino, diretora do comitê organizador da competição.

O plano é mostrar que, enquanto preserva aspectos tradicionais, sua parte mais moderna —da cultura pop às universidades, passando pela indústria de tecnologia— está aberta a estrangeiros.

Já há esforços, por exemplo, para ampliar o ensino de inglês. Restaurantes, táxis e o transporte público também têm facilitado a sinalização para quem não fala japonês.

Segundo Tanaka, do Institute for International Strategy,  o país está no caminho certo, mas tem sido muito tímido.

Para ele, seu país tem uma oportunidade única. Com a chanceler alemã Angela Merkel prestes a se aposentar e com os EUA sob a Presidência protecionista de Donald Trump, o cargo extraoficial de líder do mundo livre está vago. E o Japão pode ocupar esse espaço, desde que se abra mais para o exterior.

O jornalista viajou a convite do Ministério de Relações Exteriores do Japão .

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.