Após crise diplomática, Bolsonaro telefona para Xi Jinping e fala em 'laços de amizade'

Acusação de filho do presidente de que China seria responsável pelo coronavírus gerou tensão entre países

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) telefonou nesta terça-feira (24) para o dirigente da China, Xi Jinping, num esforço para aparar arestas de uma crise diplomática causada por declarações de um de seus filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Na quarta-feira (18), Eduardo comparou a atual crise de saúde ao acidente nuclear de Tchernóbil, na Ucrânia, em 1986, culpando a China pela pandemia do novo coronavírus.

As autoridades ucranianas, à época submetidas a Moscou, ocultaram a dimensão dos danos e adotaram medidas de emergência que custaram milhares de vidas. Para Eduardo, o comportamento de membros do regime chinês frente ao início da pandemia de Covid-19 teria sido o mesmo.

O dirigente chinês, Xi Jinping, e o presidente Jair Bolsonaro durante encontro em Brasília
O dirigente chinês, Xi Jinping, e o presidente Jair Bolsonaro durante encontro em Brasília - Sergio Lima - nov.19/AFP

Depois da declaração, publicada em uma rede social, o deputado e o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, protagonizaram troca de acusações.

O representante chinês em Brasília escreveu no Twitter que as palavras do filho do presidente são "um insulto maléfico contra a China e o povo chinês" e que a "atitude flagrante anti-China não condiz com o seu estatuto como deputado federal nem [com] a sua qualidade como uma figura pública especial".

No início desta terça (24), Bolsonaro comentou a realização do telefonema em tom apaziguador.

"Nesta manhã, em ligação telefônica com o presidente da China, Xi Jinping, reafirmamos nossos laços de amizade, troca de informações e ações sobre a Covid-19 e ampliação de nossos laços comerciais", escreveu o presidente.

A imagem que acompanha a postagem de Bolsonaro sobre o telefonema nas redes sociais mostra a presença do chanceler Ernesto Araújo, da ministra da agricultura, Tereza Cristina, e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, junto com o presidente no momento da conversa com Xi.

O embaixador Yang, em seguida, afirmou em sua conta no Twitter que, no telefonema, "ambos reiteraram o compromisso com a estabilização e ampliação da parceria comercial", em especial neste contexto dos impactos da Covid-19 na economia mundial.

O diplomata também disse que Bolsonaro e Xi apoiaram a proposta da Arábia Saudita de convocar uma videoconferência de emergência dos líderes do G20.

Na segunda, ministros de finanças das 20 maiores economias do mundo defenderam um plano de ação conjunto para responder à pandemia, que, segundo o Fundo Monetário Internacional, deve provocar uma recessão global.

Desde a semana passada, Bolsonaro dizia que poderia ligar para Xi Jinping e tentava jogar panos quentes na crise. Os chineses ficaram profundamente irritados com as declarações de Eduardo.

Tampouco aceitaram a manifestação do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores), que disse que a fala de Eduardo não refletia a posição do governo brasileiro, mas ao mesmo tempo exigiu desculpas do embaixador chinês por, segundo o chanceler, ofender o presidente Bolsonaro.

Durante a crise, o perfil no Twitter da Embaixada da China no Brasil republicou uma mensagem em que um usuário dizia que a família Bolsonaro é "o grande veneno deste país", mas apagou o post depois.

Diante do mal-estar, diplomatas entraram em contato com a embaixada da China para tentar organizar um telefonema e, com isso, reduzir as tensões com Pequim.

A avaliação, compartilhada também pela equipe econômica e pelo agronegócio, é que a China, que atravessa a fase final da contaminação da Covid-19, será peça fundamental de qualquer esforço brasileiro de recuperação econômica após a pandemia.

As declarações de Eduardo também geraram preocupação entre governadores, que estão negociando com o governo chinês e com empresas do país asiático a compra de insumos médicos, entre os quais máscaras clínicas e ventiladores.

O incidente diplomático aberto por Eduardo fez com que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pedissem desculpas pela fala do parlamentar.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.