Descrição de chapéu Coronavírus

Censura à imprensa e às redes sociais na China facilitou pandemia, defende Repórteres sem Fronteiras

ONG aponta que se informações tivessem chegado antes à mídia, população teria antecipado prevenção

São Paulo

A ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF) fez um levantamento de diversas situações em que as autoridades chinesas impediram profissionais de imprensa e usuários de redes sociais de repassar informações sobre o novo coronavírus.

"Sem o controle e a censura impostos pelas autoridades, a mídia chinesa teria informado muito antes à população sobre a gravidade da epidemia, salvando milhares de vidas e possivelmente evitando a atual pandemia", defende a instituição, em um comunicado divulgado na terça (24).

Mural em Xangai mostra símbolo do Partido Comunista com binóculos - Aly Song - 28.jan.2020/Reuters

A RSF, órgão em defesa da liberdade de expressão com sede na França, cita um estudo da Universidade de Southampton, segundo o qual o total de casos na China teria sido 86% menor se as medidas de contenção, iniciadas em 20 de janeiro, tivessem sido tomadas duas semanas antes.

Leia abaixo alguns dos casos reunidos pela ONG em seu relatório.

18 de outubro

A Universidade Johns Hopkins, em parceria com o Fórum Econômico Mundial, fez uma simulação do que poderia ocorrer numa pandemia como a de coronavírus e apontou que haveria a possibilidade de 65 milhões de pessoas serem atingidas em 18 meses. A imprensa chinesa não pode divulgar essa informação no país.

20 de dezembro

Naquele momento, havia 60 pacientes com uma pneumonia desconhecida em Wuhan, e vários deles haviam frequentado um mercado de animais vivos. Se a informação tivesse sido divulgada antes, menos gente teria ido ao local, que foi fechado em 1º de janeiro.

25 de dezembro

A médica e diretora Lu Xiaohong analisou os casos de infecção de profissionais de saúde em um hospital de Wuhan e suspeitou que a doença pudesse passar de uma pessoa a outra. Em um país com imprensa livre, Lu poderia ter buscado jornalistas e divulgado essa informação, colocando pressão sobre o governo para agir. Médicos que tentaram alertar sobre esse risco foram detidos pela polícia.

31 de dezembro

A China notificou a OMS sobre o risco de epidemia de coronavírus, mas censurou conversas sobre a doença no aplicativo de conversas WeChat.

5 de janeiro

Um centro de pesquisas de Xangai conseguiu sequenciar o genoma do coronavírus, mas o governo demorou a divulgar a informação. Cientistas de outros lugares do mundo poderiam ter ganho tempo ao receber esses dados antes.

13 de janeiro

Um turista de Wuhan na Tailândia recebeu diagnóstico de coronavírus. Se os meios internacionais tivessem sido informados da gravidade da situação em Wuhan, teriam ajudado os demais países a saber antes dos riscos que a doença traria.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.