Descrição de chapéu Coronavírus

Milhares se aglomeram ao voltar para casa durante quarentena na Índia; veja

Profissionais de saúde causaram indignação ao pulverizar desinfetante sobre grupo de migrantes

Nova Déli | Reuters

Desde que o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, decretou o confinamento de 1,3 bilhão de pessoas na última terça (24), centenas de milhares de trabalhadores tentam voltar para suas casas no interior do país.

A medida, que tem fim previsto para o dia 15 de abril, já levou a demissões em massa. Sem fonte de sustento nem onde ficar, indianos estão enfrentando longas viagens para deixar para trás os grandes centros urbanos onde trabalhavam, como Déli e Mumbai, e retornar às suas cidades de origem.

Cenas de multidões enchendo terminais de transporte e tentando embarcar em ônibus lotados se repetiram em todo o país na última semana.

Por causa da suspensão dos transportes e do fechamento de estradas, muitos andam há dias, alguns com famílias, incluindo crianças pequenas, em estradas desertas, com pouco acesso a comida ou água.

No domingo (29), cerca de 500 trabalhadores entraram em conflito com a polícia em Surat, no oeste do país. Eles exigiam poder sair da cidade e ir a outras partes do país, já que não havia mais empregos ali.

"A polícia tentou convencê-los de que isso seria impossível, pois os ônibus e os trens não estão operando. No entanto, os trabalhadores se recusaram a ceder e começaram a atirar pedras nos agentes", disse a vice-comissária da polícia de Surat, Vidhi Chaudhari.

Segundo a oficial, a maioria deles trabalhava na indústria têxtil da cidade, que foi fechada por causa das medidas que o governo adotou para conter a pandemia do coronavírus.

A polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para conter o grupo; 93 deles foram detidos por violar a quarentena, afirmou Chaudhari.

Trabalhadores tentam embarcar em ônibus lotados para retornar a seus vilarejos durante a quarentena, em Ghaziabad, arredores de Nova Déli, na Índia
Trabalhadores tentam embarcar em ônibus lotados para retornar a seus vilarejos durante a quarentena, em Ghaziabad, arredores de Nova Déli, na Índia - Adnan Abidi - 29.mar.20/Reuters

Além das dificuldades para deixar as cidades onde trabalhavam, esses migrantes enfrentam resistência e desconfiança de autoridades e moradores por onde passam.

Profissionais de saúde indianos causaram indignação nesta segunda-feira (30) ao pulverizar desinfetante sobre um grupo de migrantes.

O vídeo, amplamente compartilhado em redes sociais, mostra um grupo de trabalhadores migrantes sentados em uma rua em Bareilly, um distrito no estado norte de Uttar Pradesh, enquanto autoridades de saúde em trajes de proteção usavam tubos de mangueira para encharcá-los com desinfetante.

Nitish Kumar, a principal autoridade do governo no distrito, disse que os profissionais de saúde receberam ordens para desinfetar ônibus, mas que acabaram usando suas mangueiras nos trabalhadores migrantes.

"Pedi que medidas fossem tomadas contra os responsáveis​ por isso", afirmou ele numa rede social.

A Índia registrou mais de mil casos do novo coronavírus. Até esta segunda, 29 pessoas morreram, segundo o Ministério da Saúde. Especialistas avaliam que o país está a semanas de um pico de casos que pode sobrecarregar seu frágil sistema público de saúde.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.