EUA cortam US$ 1 bi em ajuda ao Afeganistão em meio a impasse político

Anúncio foi feito por secretário de Estado, Mike Pompeo, após visita surpresa a Cabul

Washington | AFP

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, não conseguiu convencer os líderes do Afeganistão nesta segunda-feira (23) a formar um governo de união e anunciou pouco depois um corte de US$ 1 bilhão (R$ 5,14 bilhões) em ajuda ao país.

Pompeo fez uma visita surpresa de oito horas a Cabul e se reuniu com o presidente Ashraf Ghani e com o líder opositor Abdullah Abdullah.

Nas últimas eleições presidenciais do país, em setembro do ano passado, Ghani obteve a maioria absoluta de votos. Mas Abdullah disse que houve fraude durante o processo e se proclamou vencedor da disputa, mesmo sem apresentar evidências.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, encontra o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani
O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, encontra o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani - Presidência do Afeganistão/AFP

Pompeo encorajou os dois líderes a "fazer compromissos pelo bem do povo afegão", de acordo com um comunicado do Departamento de Estado dos EUA. O impasse, no entanto, não se resolveu.

Diante do fracasso, o secretário de Estado disse que a situação "supõe uma ameaça direta aos interesses americanos" e decidiu cortar a ajuda americana ao governo do Afeganistão.

"Estamos prontos para cortar mais US$ 1 bilhão em 2021", completou.

A retirada progressiva das tropas americanas do país, entretanto, continua segundo o previsto, afirmou Pompeo. A medida faz parte do acordo entre Washington e Taleban fechado em fevereiro deste ano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.