Descrição de chapéu Coronavírus

EUA e China tentam culpar um ao outro pelo surgimento do coronavírus

Trump chamou doença de 'vírus chinês', e autoridades chinesas dizem que problema começou nos Estados Unidos

Pequim e Washington | AFP

A tensão entre os Estados Unidos e a China em meio à pandemia do novo coronavírus aumentou nesta terça-feira (17). As autoridades de Pequim protestaram depois de o presidente americano, Donald Trump, descrever a doença como um vírus chinês.

Trump, no entanto, manteve sua posição e reclamou que a China tem feito acusações de que militares dos EUA levaram a doença para o país asiático.

O presidente americano usou o termo em uma rede social. "Os Estados Unidos apoiarão fortemente as indústrias, como companhias aéreas e outras, que são particularmente afetadas pelo vírus chinês", escreveu, na noite de segunda (16).

O presidente dos EUA, Donald Trump, durante entrevista coletiva na Casa Branca - Leah Millis - 16.mar.2020/Reuters

Em ocasiões recentes, membros do governo Trump também se referiram à pandemia como "coronavírus chinês" ou “vírus de Wuhan”, a cidade que foi o epicentro inicial da epidemia.

Após o tuíte, Pequim reagiu. Os Estados Unidos devem "cessar imediatamente suas acusações injustificadas contra a China", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang.

A agência estatal de notícias Xinhua afirmou que usar "termos racistas e xenófobos para culpar outros países pelo surto revela a irresponsabilidade e incompetência dos políticos, que apenas intensificam o medo do vírus".

Questionado sobre as críticas da China em uma entrevista coletiva na tarde de terça, Trump reafirmou sua posição. "Veio da China. Creio que este nome [chinês] é muito preciso."

"A China espalha informações erradas de que nossos militares lhes transmitiram o vírus. Eu não gostei desse fato. Nossos militares não passaram nada a ninguém. Em vez de entrar na polêmica, disse: vou chamá-lo usando o país de onde veio", disse Trump.

Nos últimos dias, diversas autoridades chinesas divulgaram teorias sobre uma suposta conspiração e apontaram que o coronavírus foi levado à China por militares dos EUA.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, sugeriu na semana passada, em uma rede social, que o "paciente zero" da pandemia pode ter vindo dos Estados Unidos, mas não apresentou evidências.

Zhao republicou um vídeo no qual Robert Redfield, diretor do Centro de Controle de Doenças dos EUA, diz que algumas mortes atribuídas à gripe comum podem ter sido causadas pelo coronavírus.

"Quando o paciente zero foi registrado nos EUA? Pode ter sido o Exército dos EUA que trouxe a epidemia para Wuhan. Tornem pública essa data. Os EUA nos devem uma explicação", escreveu Zhao.

Após as postagens de Zhao, a teoria passou a ser debatida na internet chinesa, onde os temas são controlados pelo governo. O assunto foi citado ao menos 160 milhões de vezes na rede social Weibo.

Em outubro, militares americanos foram a Wuhan para os Jogos Mundiais Militares. Os EUA disseram que os competidores americanos não tiveram sintomas da doença.

Na sexta-feira (13), o Departamento de Estado convocou o embaixador chinês nos Estados Unidos, Cui Tiankai, para pedir explicações sobre as teorias da conspiração espalhadas por autoridades de Pequim.

Oficialmente, a China mantém reserva sobre a natureza do vírus e diz que sua origem é desconhecida.

O novo coronavírus foi detectado pela primeira vez na China em dezembro de 2019. As autoridades disseram que ele apareceu na região de um mercado onde são vendidos animais vivos.

Estudos preliminares apontam que o vírus infectou morcegos, depois uma espécie de mamífero e, por fim, chegou aos humanos.

Os profissionais da saúde preferem não adotar nomes geográficos e usam nomes neutros para se referir à doença.

O governo chinês foi duramente criticado pela forma como lidou com o início da crise. Houve tentativas de minimizar o problema e demora em restringir a circulação nas áreas com os primeiros casos registrados. A morte de um médico que tentou alertar as autoridades sobre a gravidade da crise, em fevereiro, gerou revolta entre os chineses.

A crise do coronavírus trouxe danos à imagem da China e também do dirigente Xi Jinping, que busca se perpetuar no poder.

Xi, que procurou ficar em segundo plano no início da crise, tenta agora criar a imagem de líder que conseguiu conter a doença e mostrar ao mundo que a China pode ensinar aos outros países como lidar com a pandemia.

Recentemente, o número de novos casos no país passou a crescer de forma mais devagar, depois de dois meses de escalada rápida. A China, no entanto, ainda é o país do mundo mais afetado, com mais de 80 mil infectados e cerca de 3.200 mortes.

A guerra de declarações entre China e EUA reacende as tensões entre os dois países, constantes desde a chegada de Trump à Presidência. O republicano tem agido de modo a estimular uma guerra comercial entre os países.

Os comentários de Trump em relação à origem da pandemia foram criticados também dentro dos Estados Unidos, pelo risco de estimular a hostilidade contra imigrantes.

"Nossa comunidade asiático-americana —pessoas a quem você serve— está sofrendo muito. Elas não precisam de você para alimentar a intolerância", escreveu no Twitter o prefeito de Nova York, Bill de Blasio. A cidade é uma das mais afetadas pela pandemia nos Estados Unidos.

Com informações do The New York Times.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.