Irã confirma envio de caixas pretas de avião abatido para Ucrânia

Medida já havia sido anunciada em janeiro; voo ia de Teerã a Kiev quando foi derrubado por forças iranianas

Montreal | Reuters

O Irã confirmou que enviará para Kiev as caixas pretas de um avião da Ukranian Airlines derrubado pelas forças de Teerã em janeiro, informou um oficial iraniano nesta quarta (11), dando fim a uma disputa de dois meses em relação às gravações da aeronave.

Até agora, Teerã se recusava a entregar os registros do voo que suas forças derrubaram em 8 de janeiro, mesmo tendo anunciado poucos dias após o acidente que mandaria as caixas pretas para a Ucrânia.

A queda do avião matou as 176 pessoas a bordo. Entre as vítimas, havia 82 iranianos, 63 canadenses e 11 ucranianos.

Uma das caixas-pretas do avião que caiu, exibida por uma emissora de TV iraniana - Irib/Wana/via Reuters

Cinco horas antes da queda da aeronave, o Irã havia disparado mísseis contra bases americanas no Iraque, em resposta a um ataque dos EUA que matou o general Qassim Suleimani, principal autoridade militar iraniana.

O avião foi confundido com um míssil de cruzeiro americano (armamento guiado remotamente para liberar ogivas a longas distâncias) e abatido por um foguete de curto alcance.

Inicialmente, o Irã escondeu que tinha derrubado o avião, mas assumiu a autoria três dias após a queda.

Farhad Parvaresh, que chefia a delegação do Irã na Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) de Montreal, disse que a autoridade de aviação civil de Teerã também convidou outros países interessados ​​a participar da leitura dos dados, o que abre as portas para EUA, Ucrânia e Canadá.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá, François-Philippe Champagne, descreveu o movimento como um passo na direção certa. Ottawa pressionou o Irã repetidamente para que entregasse as caixas pretas.

Em janeiro, o premiê canadense, Justin Trudeau, pediu que o Irã enviasse as caixas pretas para a França, um dos poucos países do mundo com capacidade para ler os dados. Nesta quarta, o Irã deixou claro que poderia enviar as gravações para o país, se necessário.

​Andriy Shevchenko, embaixador ucraniano no Canadá, postou em uma rede social que o anúncio foi "um resultado importante".

Sob as regras da ONU, o Irã mantém o controle geral da investigação, enquanto os EUA e a Ucrânia são credenciados como os países onde o jato foi construído e operado, respectivamente.

Apesar de ser o lar de grande parte dos passageiros mortos no acidente, o Canadá tem em teoria menos acesso ao processo, mas espera-se que na prática tenha um papel ativo.

"Teremos nossos especialistas presentes para que possamos avaliar melhor (se houver) alguma alteração nas caixas pretas", disse Champagne.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.